Reabilitação do Cinema Batalha mais difícil e “bem mais cara” do que o previsto

Evocação dos painéis de Júlio Pomar poderá ser feita com a projecção de fotografias das obras nas paredes onde existiram.

,
Fotogaleria
O edifício está muito mais degradado do que o que se pensava Nelson Garrido
Cinema Batalha, Mural, Cinema, Pintor
Fotogaleria
Fotografia de um dos painéis que o artista pintou no Cinema Batalha DR

O trabalho do arquitecto Alexandre Alves Costa em torno do reabilitação do Cinema Batalha, no Porto, está, desde terça-feira, a ser interrompido por quem quer falar com ele sobre a morte de Júlio Pomar. É que o pintor tinha-se disponibilizado para ajudar “em tudo” o que fosse preciso para “refazer os frescos” que criou para ali, ainda muito jovem, e que foram destruídos pelo regime de António de Oliveira Salazar, e o seu desaparecimento deixou uma incógnita sobre o que será feito. Ao PÚBLICO o arquitecto garante que os frescos não são recuperáveis e que os “vários contactos” com o pintor passavam por encontrar uma outra solução, evocativa do que lá existiu. E garante que pretende entregar o projecto de execução para a reabilitação do edifício “antes de Agosto”, revelando que a obra vai ficar “muito mais cara” do que o inicialmente previsto, porque a estrutura está em muito pior estado do que imaginava. “É fazer outro Batalha em cima daquele”, diz.

São duas coisas distintas, faz questão de salientar o arquitecto. Uma é toda a obra de reabilitação, outra é a presença no edifício da memória dos frescos que Júlio Pomar ali pintou nos anos 1940 e que o regime de Salazar mandou cobrir em 1948, um ano após a inauguração do cinema. E esta será “a última coisa” a ser decidida e concretizada em tudo o que há para fazer no Batalha e que é muito mais do que aquilo que os arquitectos Alves Costa e Sérgio Fernandez pensavam, no início. “Está tudo em muito pior estado do que o que imaginávamos. O que lá está, está desfeito e de dia para dia estraga-se mais. É fazer outro Batalha em cima daquele. Inclusivamente o betão é de má qualidade. Há muitos aspectos estruturais que pensávamos que estavam preservados e que, afinal não se podem recuperar. Tem de se fazer uma coisa nova. E depois o edifício foi muito vandalizado: metais, cobres, foi tudo roubado”, explica o arquitecto.

Todas estas descobertas, associadas à necessidade de cumprir os actuais regulamentos no que diz respeito a segurança ou acessibilidades, contribuem para um trabalho “muito difícil” e deixam uma certeza ao arquitecto: “Os custos vão dar um salto enorme”. Em Julho do ano passado, numa visita ao edifício para apresentar o projecto pensado para o Batalha, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, tinha avançado que a reabilitação do cinema custaria cerca de 2,5 milhões de euros - dois milhões para a obra e 500 mil euros para mobiliário e adaptações técnicas. Alexandre Alves Costa não quer agora revelar a estimativa que tem no momento, mas garante que será bem mais do que isso. O arquitecto diz que a câmara está a par destas alterações e não tem dúvidas que a obra será feita, tendo mesmo a expectativa de poder ser lançada “ainda este ano”.

Por decidir está o modo como os frescos desaparecidos de Júlio Pomar marcarão presença nesse novo Batalha, mas Alexandre Alves Costa também não tem qualquer dúvida que a solução nunca passará por uma reprodução das pinturas. “Ou os painéis eram recuperáveis ou não e tudo leva a crer que não. Estão destruídos. O Júlio Pomar nunca pôs a hipótese de fazer uma cópia do que existiu. O que queria, fundamentalmente, era que arranjássemos uma maneira de mostrarmos que aqueles painéis tinham sido destruídos por razões políticas. Algo que, não reproduzindo os painéis, se transformasse numa espécie de manifesto anti-fascista, que chamasse a atenção para a destruição daquelas obras ter sido uma violência”, diz.

O arquitecto garante que existiram “vários contactos” com o artista sobre este assunto, lamentando: “Faz-nos imensa falta a opinião dele. Queríamos fazer tudo de acordo com ele e ouvindo sempre a sua opinião”. A última hipótese que estava em cima da mesa partiu da descoberta de uma fotografia de muito boa qualidade, no espólio do pintor, do painel maior. “Avançámos com a hipótese de reproduzirmos essa fotografia e projectá-la na parede, no local onde o painel esteve. Tecnicamente é um pouco complicado e ainda não temos essa parte resolvida, mas o Pomar gostou muito desta hipótese e achou que a fotografia ser a preto e branco não era nada revivalista, era uma coisa nova e com um certo dramatismo”, diz.

Os painéis de Júlio Pomar no Cinema Batalha eram alusivos às festas de S. João. Apesar de existirem fotografias dessas obras, apenas a imagem que Alves Costa diz ainda não ter visto parece ter a qualidade exigida para que possa ser reproduzida e projectada no foyer do edifício. Ele não põe de parte que, a avançar-se com esta solução, se recorra ao mesmo método para reproduzir também o fresco que estava junto ao balcão do cinema.

De qualquer maneira, frisa, este será sempre o último passo de um projecto que vai transformar o edifício classificado como monumento de interesse público. Primeiro é preciso recuperar a estrutura e concretizar o que já foi apresentado à cidade: a transformação da actual Sala Bebé num espaço polivalente e a criação de uma segunda sala de cinema, mais pequena, no que é hoje parte do 2.º balcão da sala principal.