“Pediam a Diogo Gaspar para fazer tudo e mais alguma coisa”

Advogado do arguido vai pedir ao Presidente Marcelo Rebelo de Sousa e aos seus antecessores para deporem em tribunal.

Diogo Gaspar esteve 12 anos no Museu
Fotogaleria
Diogo Gaspar esteve 12 anos no Museu ANTÓNIO JOSÉ
Gaspar era director do Museu da Presidência
Fotogaleria
Gaspar era director do Museu da Presidência RG RUI GAUDENCIO

O advogado do ex-director do museu, Raul Soares da Veiga, diz que a Presidência da República devia estar agradecida a Diogo Gaspar por tudo aquilo que ele fez pela instituição ao longo dos 12 anos que lá trabalhou. “Ele tinha imensas coisas suas e da sua família emprestadas ao longo do tempo à Presidência – serviços de jantar, peças de prata, candelabros”, exemplifica o causídico. Peças que seriam necessárias para cerimónias mas que não existiriam no Palácio de Belém.

Recordando que o historiador foi condecorado por dois presidentes, Jorge Sampaio e Cavaco Silva, o advogado explica que muitos dos procedimentos que o Ministério Público afiança constituírem crime foram, afinal, levados a cabo desta ou daquela forma na sequência de orientações superiores recebidas por Diogo Gaspar: “Pediam-lhe para fazer tudo e mais alguma coisa – e em pouco tempo – porque sabiam que ele era expedito e conseguia fazer bem tudo o que era preciso. Tinha uma dedicação extraordinária, aos presidentes e às primeiras-damas.

"Louvaram-no precisamente por essa razão. Agora se isso custou mais 7000 euros em 12 anos...”, ressalva, numa referência ao montante que o Ministério Público quer ver decretado perdido a favor do Estado. De resto, adianta Soares da Veiga, “ele não estava em estrita exclusividade no museu, podia desempenhar outras tarefas de onde lhe viessem rendimentos de direitos de autor”.

O seu empenho nos presépios de Maria Cavaco Silva era conhecido: “A colecção foi feita em grande medida com a sua ajuda. Além de a ter ajudado a crescer, deu-lhe visibilidade”. O mesmo empenho terá tido em relação ao Palácio da Cidadela, em Cascais, local também a cargo da Presidência. Segundo o Ministério Público, era nesse local que estava sediada uma das firmas através das quais, segundo o Ministério Público, o arguido faria os seus negócios privados com Belém. Para o advogado, o Ministério Público misturou inexactidões com “bocadinhos de verdade” e apresentou o que considera ser uma visão pervertida do que realmente se passou.

“Jorge Sampaio permitiu aos funcionários que levassem para casa desenhos e gravuras sem interesse”, assinala. “E foram várias as pessoas que o fizeram”. Já os móveis que Diogo Gaspar comprou e que antes eram da Presidência da República, foram adquiridos primeiro a Belém por um comerciante, quando “estavam velhos e carcomidos”, e foram-lhe depois revendidos já depois de restaurados. “Não falta um parafuso ao Museu da Presidência. Nada. Zero”, assegura o defensor do arguido. “O Ministério Público esforçou-se por assacar uma grande quantidade de crimes ao meu cliente, mas naquilo que é decisivo para serem realmente crimes a acusação não fala verdade”.

No caso dos presépios, como em vários outros, se o director do museu exorbitou as suas funções foi porque “toda a gente o incentivou a exorbitá-las”.

Diogo Gaspar deverá agora pedir a abertura de instrução do processo, uma espécie de pré-julgamento facultativo no final do qual o juiz que dirige os trabalhos decide se obriga os arguidos a sentarem-se no banco dos réus ou se arquiva o caso. Seja nesta fase ou na seguinte, é certo que a defesa vai pedir tanto ao actual Presidente, Marcelo Rebelo de Sousa, como aos seus antecessores, Jorge Sampaio e Cavaco Silva, que deponham na qualidade de testemunhas. Poderão fazê-lo por escrito, prerrogativa aplicável a presidentes e outros titulares de cargos públicos, como deputados.