Só Bulgária e Roménia têm pior ferrovia do que Portugal

Fraca intensidade da utilização da infra-estrutura e pouca segurança penalizam rede portuguesa. Suíça, Dinamarca e Finlândia estão no topo do ranking elaborado pela Boston Consulting.

Transporte ferroviário, trem, eletricidade
Foto
Via-férrea portuguesa está na cauda da Europa há meia dúzia de anos

A consultora Boston Consulting, que todos os anos mede o desempenho dos sistemas ferroviários nacionais, atribui a Portugal uma das mais baixas classificações, colocando-o em antepenúltimo lugar, seguido da Roménia e Bulgária.

O indicador utilizado chama-se RPI (Railway Performance Index) e tem em conta três variáveis: a utilização da rede ferroviária (quer por passageiros, quer para mercadorias), a qualidade do serviço (pontualidade e preço dos bilhetes) e a segurança (número de acidentes e de vítimas). A soma destes três aspectos dá um valor de 1,5 pontos a Portugal quando a média europeia é de 4,8 e os países mais bem classificados pontuam 7,2 (Suíça), 6,8 (Dinamarca) e 6,6 (Finlândia).

Portugal até tem um valor razoável no que diz respeito à qualidade do serviço: a média europeia é de 1,4 e o país regista 1,5. Mas o fraco desempenho na segurança e na intensidade de utilização da infraestrutura atiram-no para os lugares mais baixos do ranking. Este último indicador - a reduzida utilização do caminho-de-ferro existente – é que faz com que Portugal tenha uma das piores classificações na Europa.

Já em 2012 e 2015 Portugal mantinha o penúltimo lugar no ranking do RPI.

O estudo reafirma algumas das conclusões de relatórios anteriores. Uma delas - que ajuda a explicar o fraco desempenho português – diz que existe uma relação entre o nível de investimento público e a melhoria do desempenho do sistema ferroviário. Como o investimento em Portugal, e a própria manutenção, têm sido praticamente nulos na última década, não surpreende a fraca performance nacional no ranking.

"Reguladores e governos em países com uma tendência descendente no desempenho [da ferrovia] devem considerar rever os investimentos planeados nos seus sistemas e decidir se os orçamentos devem ser aumentados", sublinham os autores do estudo da Boston Consulting, acrescentando que "no curto prazo, estes países podem ter de aumentar o investimento nos seus sistemas com vista a iniciarem o longo processo" de recuperação dos desempenhos. 

Apesar dos constrangimentos orçamentais, vários países adoptaram planos de investimento ambiciosos para a ferrovia, referem os consultores. É o caso da Itália, que tem em curso projectos no valor de 100 mil milhões de euros para os próximos dez anos (dos quais 73 mil milhões são para investir na infra-estrutura), do Reino Unido, com um programa de investimentos de 182 mil milhões de euros nos próximos cinco anos, e da Bélgica, que prevê gastar 25 mil milhões em 12 anos.

PÚBLICO -
Aumentar

O documento analisa ainda o impacto do investimento público na ferrovia, isto é, qual o benefício que cada país obtém por cada euro gasto no seu caminho-de-ferro. E neste particular a Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Holanda, Suécia e Suíça são os mais bem posicionados, ao contrário do Luxemburgo, Bélgica, Lituânia, Eslováquia, Portugal, Roménia e Bulgária, onde a relação custo-benefício do investimento ferroviário é mais baixo.

Por outro lado, não é indiferente que o dinheiro público seja atribuído sob a forma de subsídios ou através de investimento directo em infra-estrutura. Os consultores consideram que os subsídios (ou investimento directo) aplicados ao gestor de infra-estruturas tem um maior impacto na performance do sistema do que se forem entregues aos vários operadores ferroviários.

O relatório diz ainda que nos países onde se tem registado uma ligeira descida do desempenho do sistema ferroviário, a manutenção dos níveis actuais de investimento público (incluindo subsídios) “pode não ser suficiente para manter uma alta performance”. E avisa: “pode demorar vários anos até os declínios se tornarem claramente visíveis, por isso é altura de tomar medidas para reverter esses declínios ainda incipientes a fim de assegurar que os clientes da ferrovia não sofram o seu impacto”.

No caso português, o declínio é já bastante grande devido a décadas de desinvestimento no sector. E mesmo com os projectos de modernização em curso no Ferrovia 2020 vai demorar igualmente bastante tempo a que se vejam os resultados na perspectiva dos operadores e dos clientes do caminho-de-ferro. 

Em estudos anteriores a Boston Consulting identificava que os sistemas ferroviários grandes (com mais de 15 mil quilómetros de vias férreas) tinham um melhor desempenho que os pequenos (com menos de 6 mil quilómetros), talvez mercê do efeito rede e das economias de escala. Mas em 2017 esses países maiores tiveram uma ligeira descida. Um pormenor a que os consultores dizem que é preciso estar atento para saber se se trata de um tendência.

Um estudo divulgado pelo PÚBLICO, da autoria da Infraestruturas de Portugal, refere que quase 60% das linhas de caminhos-de-ferro nacionais são classificadas como “medíocres” ou “más” no que diz respeito ao seu índice de desempenho. E confirma que as linhas consideradas medíocres são aquelas que não foram ainda modernizadas.

Nos últimos quatro anos registaram-se, na rede ferroviária portuguesa, 22 descarrilamentos, 16 com comboios de mercadorias e seis com composições de passageiros. Metade destes acidentes aconteceram na linha da Beira Alta.

Contactada pelo PÚBLICO, a Infraestruturas de Portugal diz que não comenta o estudo “cuja qualidade técnica da informação utilizada na sua elaboração desconhecemos”. Mas adianta que “é reconhecida a necessidade de investimento na melhoria do sistema ferroviário nacional”, razão pela qual a “a IP está a desenvolver o Ferrovia 2020, que constitui o maior plano de investimentos das últimas décadas na modernização da rede ferroviária nacional”.

A empresa responsável pela infra-estrutura ferroviária acrescenta ainda que serão investido mais de 2 mil milhões de euros, fortemente comparticipados com fundos comunitários, envolvendo a requalificação de mais de mil quilómetros de via férrea, “cuja concretização dotará o país de uma infra-estrutura ferroviária de qualidade, melhorando as condições de mobilidade das populações e das empresas nacionais, potenciando a sua capacidade exportadora”.

Este plano, contudo, está com uma reduzida execução. Em Fevereiro o PÚBLICO dava conta que, dois anos depois da sua apresentação, o Ferrovia 2020 só tinha 15% dos seus projectos em fase de obra.

O PÚBLICO convidou também a CP para replicar ou comentar o estudo da Boston Consulting Group, mas a empresa não quis fazer.