Obesidade afecta mais mulheres, idosos e menos escolarizados

Obesidade está associada a outras doenºas como a diabetes, a hipertensão ou o cancro, que podem ser evitadas se as pessoas perderem peso.

Excesso de peso, obesidade
Foto
REUTERS/Lucas Jackson/Arquivo

Cerca de 1,9 milhões de portugueses sofriam em 2015 de obesidade, uma doença mais prevalente nas mulheres, nos idosos e nas pessoas com menos escolaridade e sem actividade profissional, segundo o Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF).

Desenvolvido pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), o inquérito analisou o estado de saúde da população residente em Portugal, em 2015, com idade entre os 25 e os 74 anos, tendo concluído que 28,7% dos portugueses eram obesos e 126 mil tinham obesidade mórbida.

Divulgados a propósito do Dia Nacional e Europeu da Obesidade, que se assinala no sábado, os dados indicam que três em cada dez mulheres (32,1%) eram obesas, contra 24,9% dos homens.

Os portugueses sem qualquer nível de escolaridade ou apenas com o primeiro ciclo apresentavam maior prevalência de obesidade (43,1%), seguindo-se os que têm o segundo ou terceiro ciclo (28,7%).

Já na população com o ensino secundário, a prevalência da obesidade situava-se nos 22,7%. E nos 14,7% entre os que têm o ensino superior.

Também se verificaram níveis maiores de obesidade na população sem actividade profissional (reformados, domésticos ou estudantes, 40%), uma situação que também afectava 29,4% dos desempregados e 23,7% dos empregados.

A presidente da Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO), Paula Freitas, salientou a importância do Dia Nacional e Europeu da Obesidade, para "colocar a população portuguesa a pensar na obesidade como doença".

"O nosso objectivo primário é que as pessoas entendam que a obesidade é uma doença crónica, complexa e multifactorial que está associada a múltiplas outras patologias", como a diabetes, a hipertensão ou o cancro, que podem ser evitadas se as pessoas perderem peso.

As pessoas que têm diabetes, aumento do colesterol e do ácido úrico, problemas cardíacos, respiratórios, como a asma, apneia de sono, muitas vezes basta perderem peso para que todas estas doenças melhorem ou desapareçam.

"Nós olhamos um bocadinho para a obesidade como factor para o aumento do risco cardiovascular, como a hipertensão, a insuficiência cardíaca, doença coronária ou o aumento do risco tromboembólico, mas hoje também cada vez mais se sabe que a obesidade está associada a uma série de cancros na mulher, como o cancro da mama, dos ovários, do colo do útero, do endométrio, e nos homens, o cancro na próstata", salientou.

Mas a obesidade também pode estar associada a outros cancros, como o colorrectal, da vesícula biliar, do pâncreas ou do fígado, disse Paula Freitas, defendendo que "é importante travar a obesidade para que todas as complicações associadas não venham a surgir a longo prazo".

A SPEO defende a necessidade de criar respostas mais eficientes e rápidas, quer seja através de um diagnóstico mais precoce, um melhor encaminhamento e gestão dos doentes nos cuidados primários, bem como possibilitar o tratamento necessário aos doentes.

Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, a incidência de cancros associada ao excesso de peso e obesidade aumentou 7% na última década.