Ayatollah Khamenei sobre Trump: "Mentiu mais de dez vezes"

Líder Supremo do Irão afirmou que "o corpo deste homem, Trump, vai reduzir-se a cinzas e tornar-se comida para vermes e formigas, enquanto a República Islâmica permanecerá em pé”.

Donald Trump, Barack Obama, Ali Khamenei, Hassan Rouhani, Irã, Estados Unidos
Fotogaleria
Deputados da linha dura queimaram uma bandeira dos EUA EPA
Khamenei durante o seu discurso em Teerão
Fotogaleria
Khamenei durante o seu discurso em Teerão LUSA/IRANIAN SUPREME LEADER OFFICE HANDOUT

O ayatollah Ali Khamenei, Líder Supremo do Irão, criticou duramente a decisão de Donald Trump retirar os Estados Unidos do acordo sobre o nuclear assinado em 2015, afirmando que o discurso do Presidente norte-americano foi “absurdo e superficial” e que foi conteve “mais de dez mentiras”.

Para justificar a sua decisão, Trump disse na terça-feira, entre outras coisas, que o regime iraniano é “o maior patrocinador mundial do terrorismo”, que tem um programa nuclear secreto e que o acordo nunca deveria ter sido assinado.

“Eu digo, em nome do povo iraniano. Senhor Trump, cometeu um erro”, disse nesta quarta-feira Khamenei, citado pela Reuters. “Ouvimos na noite passada o Presidente dos EUA a proferir alguns comentários absurdos e superficiais”, continuou. “Ele disse talvez mais de dez mentiras. Ele ameaçou o regime e o povo, afirmando que vai fazer isto e aquilo”.

“Ele ameaçou o sistema bem como a nação. O corpo deste homem, Trump, vai reduzir-se a cinzas e tornar-se comida para vermes e formigas, enquanto a República Islâmica permanecerá em pé”, atirou o líder supremo iraniano.

Khamenei afirmou que não é possível o Irão continuar a respeitar o acordo nuclear sem garantir que os signatários europeus (Reino Unido, França e Alemanha) permaneçam comprometidos.  

Também nesta quarta-feira, a ala mais radical dos deputados iranianos – que esteve sempre contra ao acordo ­­– reagiu à decisão de Trump na abertura de uma sessão parlamentar queimando uma bandeira americana e o texto do pacto nuclear, enquanto gritavam “morte à América”, relata o Guardian.