E o “penta” vai para Sérgio Conceição

Chegar, ver e vencer pode ser o lema que melhor se aplica ao treinador que resgatou o FC Porto com uma receita à base de trabalho, dedicação e vontade de vencer.

Fotogaleria
Sérgio Conceição durante esta temporada ao serviço do FC Porto LUSA/LUIS VIEIRA
Fotogaleria
Sérgio Conceição durante esta temporada ao serviço do FC Porto Reuters/LEE SMITH
Fotogaleria
Sérgio Conceição durante esta temporada ao serviço do FC Porto LUSA/JOSÉ COELHO
Fotogaleria
Sérgio Conceição durante esta temporada ao serviço do FC Porto LUSA/MANUEL ARAÚJO
Fotogaleria
Sérgio Conceição durante esta temporada ao serviço do FC Porto LUSA/JOSÉ COELHO

No dia da apresentação como treinador do FC Porto, Sérgio Conceição não perdoou uma pequena-grande imprecisão. Fiel ao estilo de quem só admite a vitória, reagiu à perda de um campeonato num milionésimo de segundo, corrigindo o número de títulos de campeão nacional conquistados ao serviço do FC Porto no mesmo instante em que era confrontado com o facto de ter vencido sempre a prova nas três épocas como jogador.

"Quatro! Foram quatro porque também ganhei o de juniores!", vincou na altura com o mesmo número de dedos levantados, numa alusão à época de 1992-93.

Foi muito por causa desta sede de vencer que o FC Porto conseguiu acabar com a seca de títulos que durava há quase cinco anos. Sem medo das palavras, Sérgio Conceição havia prometido títulos em Maio e cumpriu, ao garantir o quinto da sua conta-corrente, num balanço entre as Antas e o Dragão.

Conceição “regressou a casa” sob o signo do cinco, tornando-se o quinto antigo futebolista portista a sagrar-se campeão como atleta e treinador do clube da Invicta. Conceição sucede a Joseph Szabo, Mihály Siska, José Maria Pedroto e António Oliveira, interrompendo o ciclo do Benfica, que apostava todas as fichas no seu primeiro “penta”.

A carreira como treinador iniciou-a na Bélgica, ainda como adjunto do amigo Dominique d’Onofrio, falecido em 2016.

Mas o caminho enquanto líder começou em Olhão, com passagens subsequentes por Académica, Sp. Braga e V. Guimarães, antes de pegar no Nantes e mostrar a Pinto da Costa que estava pronto.

Até chegar ao FC Porto e decidir que estava preparado para assumir o banco, o miúdo irreverente assimilou as tácticas e os estilos de algumas referências mundiais - como Artur Jorge, António Oliveira, Humberto Coelho, Jorge Jesus, Fernando Santos e José Mourinho, passando por Eriksson, Arrigo Sacchi, Héctor Cúper, Daniel Passarella, Roberto Mancini e Scolari.

PÚBLICO -
Foto
Sérgio Conceição é o 17.º treinador a sagrar-se campeão pelo FC Porto Reuters

Fernando Couto, colega de Conceição na selecção e na Lazio, admite não se ter apercebido desta inclinação do amigo. “Curiosamente, nunca nos cruzámos no FC Porto. Convivemos muito na selecção e na Lazio. Mas para ser sincero, não previa isto pois não o via como futuro treinador”, confessa.

“Na verdade, acho que fez uma época fantástica. Gostei imenso até por ter sido um campeonato à imagem do FC Porto, com um grupo forte, com grande determinação e crença. É um título com um gosto especial, com uma atitude vencedora, à imagem do que o Sérgio foi como jogador”, acrescentou Fernando Couto, atento aos passos “seguros” dados pelo novo treinador campeão.

“Fez o percurso que tinha que ser feito. Começar como adjunto, na Bélgica, e subir cada degrau, com Olhanense, Académica, Sp. Braga, V. Guimarães e Nantes até chegar ao topo, ao FC Porto. Tudo à custa de trabalho e muita qualidade. Rodeou-se de profissionais competentes, que conheço bem, pessoas muito válidas, e impôs o estilo dele de forma vincada e forte, aproveitando bem toda a experiência e vivências acumuladas em grandes clubes, com grandes jogadores e treinadores, o que é sempre determinante. Agora fico à espera, pois pode ir muito longe. Se for com o FC Porto, muito bem. Mas os dados estão lançados”, resumiu o antigo central, feliz pela conquista de Sérgio Conceição que quando chegou ao Dragão avisou, sem hesitar, que não vinha para aprender, mas sim para ensinar. E que em Maio teria razões para dedicar novos troféus aos pais.

Um “doente da bola”

Tirando os excessos associados ao temperamento e os inúmeros episódios de rebeldia e polémicas que contribuíram para o crescimento e definição de carácter de Sérgio Conceição - que continua a não mandar recados por ninguém, seja para fora ou para dentro do próprio FC Porto - o agora treinador campeão devolveu o brio a uma equipa sem reforços, exceptuando o guardião Vaná, fruto da saúde financeira debilitada e das restrições impostas pela UEFA.

Do mau feitio de Sérgio Conceição já se pronunciou Fernando Santos, em pleno jogo de despedida de Deco, há quatro anos, num FC Porto-Barcelona em que o “engenheiro” voltou ao banco portista.

Sérgio Conceição não gostou de ser suplente e meio a brincar meio a sério garantiu estar com azia pelas escolhas de Fernando Santos. Confrontado com as “críticas” do seu ex-jogador nos gregos do PAOK, onde Sérgio encerrou a carreira de futebolista, em 2010, o actual seleccionador lembrou que ele era assim, “um doente da bola”.

Conceição era, nessa altura, treinador do Sp. Braga, que levou à final da Taça de Portugal. E Fernando Santos referiu nesse momento uma das características que melhor definem a forma de estar do agora treinador campeão nacional. “Ele nunca perderá este feitio, aliás não pode perder, até para o futuro dele como treinador. É muito importante a paixão que Sérgio tem pelo jogo”.

Domingos Paciência não equipou nesse dia, mas mais do que a maioria pode explicar o sucesso do amigo Sérgio, que baseia numa vontade indómita de vencer.

“Lembro-me como se fosse hoje. Estava no Sporting e recebi uma chamada do presidente do Olhanense a pedir uma opinião sobre o Sérgio Conceição”, recorda. Domingos acabara de passar uns dias de férias na Grécia com Sérgio e com Dominique d’Onofrio, que anunciara a saída do Standard Liège, onde treinou Conceição e o promoveu a adjunto.

“Não sei se tive muita ou pouca influência na decisão, mas conheço a personalidade do Sérgio e expliquei-lhe que tem uma vontade de ganhar impressionante”, aliada a uma ética de trabalho que ajuda a perceber os resultados neste primeiro ano de FC Porto.

“O Sérgio é uma pessoa muito ‘visual’. E quando passas pelos melhores clubes, convives com grandes jogadores e treinadores, podes usar essa capacidade. Mas julgo que o grande mérito dele no FC Porto foi o de ter percebido o contexto, ter feito a leitura correcta e canalizar tudo para um jogo diferente do adoptado por Lopetegui e pelo Nuno Espírito Santo. O futebol dele é diferente, tem que moldar e rentabilizar jogadores, alguns que todos julgavam não ter espaço no plantel. Há muito mérito nisso”, refere Domingos, sem esquecer a influência das origens humildes do amigo.

“O FC Porto transformou-se numa equipa objectiva, dinâmica, com processos mais directos na busca do golo. Essa procura constante, sem a preocupação de praticar um futebol vistoso, essa obsessão por chegar rápido à baliza tem a ver com uma visão da realidade e de alguém que subiu a pulso, que não teve nada de mão beijada, que lutou e que singrou à custa do trabalho e da qualidade. E a capacidade de trabalho do Sérgio é tremenda”, testemunha Domingos, para acrescentar um último mérito do amigo: “Para além de tudo, há a mensagem. A paixão e a crença dele contagiam os jogadores”.

PÚBLICO - Joseph Szabo, campeão nacional pelo FC Porto em 1935
Joseph Szabo, campeão nacional pelo FC Porto em 1935 DR
PÚBLICO - Mihaily Siska, campeão nacional pelo FC Porto em 1939 e 1940
Mihaily Siska, campeão nacional pelo FC Porto em 1939 e 1940 DR
PÚBLICO - Dorival Yustrich, campeão nacional pelo FC Porto em 1956
Dorival Yustrich, campeão nacional pelo FC Porto em 1956 DR
PÚBLICO - Béla Guttmann, campeão nacional pelo FC Porto em 1959
Béla Guttmann, campeão nacional pelo FC Porto em 1959 DR
PÚBLICO - José Maria Pedro Pedroto, campeão nacional pelo FC Porto em 1978 e 1979
José Maria Pedro Pedroto, campeão nacional pelo FC Porto em 1978 e 1979 DR
PÚBLICO - Artur Jorge, campeão nacional pelo FC Porto em 1985, 1986 e 1990
Artur Jorge, campeão nacional pelo FC Porto em 1985, 1986 e 1990 Fernando Veludo/FERNANDO VELUDO
PÚBLICO - Tomislav Ivic, campeão pelo FC Porto em 1988
Tomislav Ivic, campeão pelo FC Porto em 1988 Arquivo
PÚBLICO - Carlos Alberto Silva, campeão pelo FC Porto em 1992 e 1993
Carlos Alberto Silva, campeão pelo FC Porto em 1992 e 1993 Público/Arquivo
PÚBLICO - Bobby Robson, campeão pelo FC Porto em 1995 e 1996
Bobby Robson, campeão pelo FC Porto em 1995 e 1996 Público/Paulo Carriço
PÚBLICO - António Oliveira, campeão nacional pelo FC Porto em 1997 e 1998
António Oliveira, campeão nacional pelo FC Porto em 1997 e 1998 Público/Fernando Veludo
PÚBLICO - Fernando Santos, campeão nacional pelo FC Porto em 1999
Fernando Santos, campeão nacional pelo FC Porto em 1999 Público/Paulo Ricca
PÚBLICO - José Mourinho, campeão nacional pelo FC Porto em 2003 e 2004
José Mourinho, campeão nacional pelo FC Porto em 2003 e 2004 Público/Hugo Delgado
PÚBLICO - Co Adriaanse, campeão nacional pelo FC Porto em 2006
Co Adriaanse, campeão nacional pelo FC Porto em 2006 Público/Paulo Ricca
PÚBLICO - Jesualdo Ferreira, campeão nacional em 2007, 2008 e 2009
Jesualdo Ferreira, campeão nacional em 2007, 2008 e 2009 Público/Paulo Pimenta
PÚBLICO - André Villas-Boas, campeão nacional pelo FC Porto em 2011
André Villas-Boas, campeão nacional pelo FC Porto em 2011 NFACTOS/FERNANDO VELUDO
PÚBLICO - Vítor Pereira, campeão nacional pelo FC Porto em 2012 e 2013
Vítor Pereira, campeão nacional pelo FC Porto em 2012 e 2013 NFACTOS/FERNANDO VELUDO
PÚBLICO - Sérgio Conceição, campeão nacional pelo FC Porto em 2018
Sérgio Conceição, campeão nacional pelo FC Porto em 2018 LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO
Fotogaleria