Médicos vão pagar 90 euros para fazer prova de acesso à especialidade

Beneficiários de bolsa de estudo estão isentos de qualquer pagamento. Prova terá 150 questões de escolha múltipla a que os médicos podem responder em 240 minutos. Para preparação, há seis livros de referência.

Foto
Rui Gaudencio

A prova dos médicos conhecida como Harrison tem o seu fim anunciado e a que lhe sucede, no próximo ano, será, em parte, paga pelos candidatos. Os médicos que queiram fazer a nova Prova Nacional de Acesso à Formação Especializada terão que comparticipar em 90 euros a sua realização.

Isentos estão os alunos que beneficiam de bolsa de estudo no último ano do curso. Os restantes terão que pagar o valor da comparticipação, que não pode ser devolvida, quando se forem inscrever na prova que permite o acesso à especialidade, lê-se no despacho, publicado nesta sexta-feira em Diário da República, que implementa o novo modelo do exame, com a respectiva matriz de conteúdos e referências bibliográficas.

Esta comparticipação, lê-se no despacho, “será exclusivamente utilizada para a profissionalização e sustentabilidade do Gabinete da Prova Nacional de Acesso (GPNC)”. O montante será cobrado pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), sendo depois transferido para este gabinete criado para preparar a realização do exame e sediado na secção Norte da Ordem dos Médicos. Nenhuma verba reverte para o Ministério da Saúde, garante a tutela em resposta ao PÚBLICO.

A directora da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Maria Amélia Ferreira, ajuda a perceber o destino deste dinheiro, não deixando de destacar o “enorme avanço que esta prova trará para a formação médica”: paralelamente ao GPNC, constituído por representantes das escolas médicas, da Ordem dos Médicos e da ACSS, “vai funcionar um gabinete de meta-avaliação de exames que vai permitir comprovar cientificamente a qualidade da prova, juntamente com os júris”. Este sistema não existe neste momento (e o Harrison não é pago), sublinha Maria Amélia Ferreira, que acredita que o valor a suportar pelos médicos “é muito residual”.

A Associação Nacional de Estudantes de Medicina (ANEM), que já se tinha mostrado contra o pagamento, independentemente do valor, reforça essa posição: “Este valor foi pensado com base nos custos que a implementação da prova terá, mas isso para nós não tem relevância, achamos que deve ser o Estado a pagar”, afirmou o presidente Edgar Simões.

O Ministério da Saúde não esclarece qual o custo total da prova, não se sabendo qual a percentagem alvo de comparticipação. Mantendo-se a tendência do ano passado, em que se inscreveram 2633 pessoas para fazer o exame, os médicos poderão pagar até 230 mil euros.

O montante poderá ser revisto a cada dois anos, por determinação do Ministro da Saúde, após um parecer do GPNA, da Ordem dos Médicos, do Conselho das Escolas Médicas Portuguesas e do Conselho Nacional do Internato Médico.

Seis livros de referência

Este despacho surge no culminar de um trabalho conjunto, de mais de um ano, entre o Ministério da Saúde, a ACSS, a Ordem dos Médicos, a ANEM, especialistas ligados ao actual exame e colégios da especialidade que, por considerarem que o Harrison está “esgotado”, procuraram criar um modelo de prova assente no “raciocínio clínico que um médico recém-licenciado deverá possuir”, como classificava no ano passado o coordenador da comissão formada para o efeito. António Sarmento distanciava, assim, o novo exame de um Harrison focado apenas nas áreas da medicina interna e “na capacidade de memorização”.

A nova prova terá 150 questões de escolha múltipla, em vez das 100 do anterior exame, a que os médicos podem responder em 240 minutos (duas partes de 120 minutos, com intervalo).

A matriz de conteúdos que deverão ser avaliados contempla cinco áreas – medicina (50%), cirurgia (15%), pediatria (15%), ginecologia/obstetrícia (10%) e psiquiatria (10%) –, sendo indicados seis “potenciais livros de referência” para preparação da prova. Para o anterior exame estavam apenas indicados os dois volumes do manual de medicina interna de Tinsley Harrison.

E outra mudança relativamente ao Harrison, que vigorou durante 40 anos, é que as respostas “podem requerer a mobilização de conhecimentos e capacidades relativos a mais do que um dos domínios/áreas do conhecimento da matriz”. Alterações que vão obrigar as escolas de medicina a “remodelar alguns programas de ensino, de aprendizagem e de avaliação”, antecipa Maria Amélia Ferreira.

À excepção do pagamento, a nova prova reúne o apoio da ANEM que não deixa de antecipar, no entanto, “uma adaptação difícil”. Haverá “dores de crescimento, mas a verdade é que os estudantes de medicina são contra o actual modelo. Cabe-nos a nós e às associações de estudantes esclarecer e acalmar a ânsia, para que esta prova possa ser melhor para seriar as pessoas que querem aceder à especialidade”.

Já este ano vai ser feita uma prova experimental, de participação voluntária, para os actuais alunos do 5º ano – aqueles que serão os primeiros a fazer esta prova.