Lugares em creche duplicam em 16 anos mas só chegam a metade das crianças

No final de 2016, abriram mil novos lugares de creche, elevando para 118 mil os lugares disponíveis nas mais de 2670 creches existentes no país.

Foto
Lisboa, Porto e Setúbal são os distritos onde o sector lucrativo tem mais peso Daniel Rocha

Entre 2000 e 2016, os lugares em creches para as crianças até aos três anos de idade cresceram 108%, segundo a Carta Social de 2016, do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS). Ainda assim, os 118 mil lugares disponíveis no final de 2016 — ano em que foram criados mil novos lugares — continuam a deixar de fora metade das crianças nesta faixa etária.

No virar do milénio, havia em Portugal 57.158 lugares em creches. Dezasseis anos depois, fixavam-se já nos referidos 118 mil lugares. Apesar deste aumento, e da progressiva diminuição do número de crianças nascidas em cada ano, a taxa de cobertura destes equipamentos da rede social não ia além dos 50,3%, a 31 de Dezembro de 2016, refere a Carta Social.

Neste ano e no anterior, porque a natalidade aumentou ligeiramente, a taxa de cobertura média para aquelas idades chegou mesmo a recuar 0,8 pontos percentuais, segundo o documento. Mas, ao que tudo indica, este recuo não deverá repetir-se em 2017, dado que os nascimentos voltaram a diminuir. No ano passado, recorde-se, nasceram menos 927 crianças do que no ano anterior (86.154 e 87.126, respectivamente).

Terão sido, aliás, os ligeiros aumentos no número de bebés nascidos em 2016 e 2015 que levaram a que a taxa de utilização dos lugares em creches tivesse aumentado para os 82% — mais 1,5 pontos percentuais por comparação com 2015.

PÚBLICO -
Aumentar

Daqueles 118 mil lugares, a percentagem dos que eram comparticipados pelo Estado via acordos de cooperação ascendia a 63%.

Havia, no continente, um total de 2674 creches a funcionar, 74% das quais eram propriedade de entidades não-lucrativas. Lisboa, Setúbal e Porto sobressaem do todo nacional por serem os distritos onde a resposta da rede privada e lucrativa tem maior peso: 44% e 43%, nos dois primeiros casos, e 34% no terceiro. São, sem surpresas, os distritos onde a oferta está muito abaixo das necessidades e da média nacional.

Ainda no tocante às creches, o relatório nota que 64% continuavam a encerrar para férias, “embora se observe, ao longo dos anos, um aumento do número de equipamentos que funcionam, sem interrupções ao longo de todo o ano, o que permite às famílias uma melhoria da conciliação dos tempos de trabalho e das responsabilidades familiares”.

Em nome desta melhoria na gestão dos tempos das famílias, 83,7% das creches abriam em 2016 às 7h00 e 40,9% permaneciam abertas até às 20h00. As que se mantinham abertas até 12 horas por dia perfaziam 89% do total. De resto, mais de metade (52%) das crianças que frequentavam creches não tinham completado ainda os dois anos de idade.

No tocante ao pré-escolar (dos três aos cinco anos), a Carta Social refere a existência de 237.500 lugares, repartidos por 4750 instituições, das quais 89% pertencentes a entidades não-lucrativas.

O relatório faz ainda o ponto de situação em relação a outro tipo de respostas. Por exemplo, no universo das pessoas com deficiência, os lugares disponíveis em diferentes tipos de equipamentos aumentaram 114%, entre 2000 e 2016. Neste último ano, ultrapassavam os 40 mil lugares, com preponderância dos centros de actividades operacionais e lares residenciais. A taxa de utilização média fixava-se nos 92%.