“Sr. Presidente, precisa de vir ao Porto mais vezes. O Porto ama-o”

Marcelo Rebelo de Sousa não quis falhar a abertura do mercado temporário do Bolhão, que vai funcionar durante os próximos dois anos no Centro Comercial La Vie.

Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, quis associar-se nesta quarta-feira à abertura do mercado temporário do Bolhão, onde estão agora instalados os comerciantes até que a recuperação do emblemático mercado esteja concluída, o que acontecerá dentro de dois anos nas previsões da autarquia portuense.

Marcelo Rebelo de Sousa e o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, deslocaram-se a pé desde a entrada principal do velho mercado, na Rua de Fernandes Tomás, até ao Centro Comercial La Vie, situado na mesma rua, e os dois repartiram as atenções dos portuenses, mas era o Presidente da República que as pessoas queriam ver e saudar.

O curto trajecto foi feito a passo de caracol e com muitas selfies à mistura. Incansável, Marcelo “posou” ao lado de jovens, menos jovens, mas também tirou fotografias com pessoas um pouco mais idosas que o elogiaram efusivamente.

“Que gosto estar ao lado do nosso Presidente”, dizia uma mulher embevecida por ter tido o privilégio de cumprimentar o chefe de Estado na sua cidade. “Obrigado por tudo, sr. Presidente e cuide de nós, principalmente dos mais idosos”, clamava uma outra mulher, enquanto o seu marido segredava ao ouvido de Marcelo que tinha estado no Ultramar a combater.

Os presidentes da câmara e da Assembleia Municipal do Porto, Miguel Pereira Leite, tentavam acompanhar o ritmo frenético de Marcelo, mas sem grande sucesso. Antes de chegar ao Centro Comercial La Vie para cumprimentar os comerciantes, Marcelo foi abordado por lesados do BES que ainda não chegaram a acordo para receber a totalidade do investimento e apelaram ao Presidente para que os ajude.

O ritmo não abrandou quando Marcelo entrou no Centro Comercial La Vie. No piso inferior, uma multidão esperava ansiosamente pelo Presidente da República, que foi recebido com uma chuva de aplausos. O Presidente foi carinhosamente recebido e voltou a entrar numa espiral de selfies porque todos queiram ter uma fotografia de Marcelo para mais tarde recordar. No caso da Padaria Madalena, Marcelo entrou e colocou-se atrás do balcão dando a ideia por momentos que ia atender clientes. Mas não. O objectivo era mesmo tirar mais uma foto.

Um dos momentos mais emocionantes da visita aconteceu já dentro do mercado quando a mãe de uma criança de onze anos, em pranto, pediu ao Presidente da República para não se esquecer os “doentes especiais” que sofrem de autismo. Marcelo explicou que essa não é uma preocupação de hoje, acarinhou aquela mãe num abraço sentido, dando-lhe um beijo e encorajando-a a ter força para poder lidar com o sofrimento do seu filho.

Numa tentativa de desdramatizar o momento, uma ex-funcionária da Câmara do Porto, de 84 anos, dirigiu-se ao Presidente da República e disse-lhe: “Precisa de vir ao Porto mais vezes, o Porto ama-o”.

A meio da visita, o presidente da Câmara do Porto revelou que a recuperação do emblemático Mercado do Bolhão começa na terceira semana de Maio.

Com 5600 metros quadros, o mercado temporário do Bolhão, que dista "cerca de 200 passos" do edifício mãe, acolhe 82 dos comerciantes do centenário espaço comercial durante os 24 meses previstos para a requalificação.