Relatório antevê perdas brutais para Reino Unido em todos os cenários pós-"Brexit"

Estudo traça quatro cenários possíveis e conclui que o desejado pelo Governo britânico custará 710 milhões de euros por semana aos cofres do Estado.

Reino Unido vai abandonar a União Europeia em Março de 2019
Foto
Reino Unido vai abandonar a União Europeia em Março de 2019 TOLGA AKMEN / Reuters

Quatro cenários distintos para um único prognóstico: a saída do Reino Unido da União Europeia vai ter um impacto negativo de milhões de libras para a economia britânica, pelo menos até 2034. É esta a principal conclusão do estudo do think tank Global Future, depois de analisadas as consequências económicas dos cenários sugeridos pelo próprio Governo de Theresa May.

O grupo de reflexão liderado por Jonathan Portes – professor de Economia e Políticas Públicas do King’s College (Londres) – tomou em consideração os três estudos levados a cabo pelo executivo conservador e recriou um quarto cenário, baseado naquele que poderá ser o acordo ambicionado por May e que vai de encontro ao discurso da primeira-ministra no início de Março, na Mansion House.

Entendido pelo Governo como o cenário mais vantajoso para o Reino Unido, este último custará aos cofres britânicos quase 40 mil milhões de libras (cerca de 46 mil milhões de euros) por ano, aponta o Global Future. O think tank chega a este número calculando os custos associados ao fim da liberdade de movimento, às novas barreiras alfandegárias, à factura do divórcio ou às contribuições britânicas para UE. 

Numa outra perspectiva, e tendo em conta os preços de 2018, o acordo favorito do Governo teria um impacto na economia britânica de 615 milhões de libras (710 milhões de euros) por semana, durante os próximos 16 anos.

Dos 2000 participantes no inquérito levado a cabo pelo Global Future, 77% entende que os custos do cenário a que o executivo aspira são demasiado elevados e 78% admite que não estava à espera que as perdas económicas fossem tão elevadas, quando a 23 Junho de 2016 se votou no referendo britânico à permanência na União Europeia – e que acabou por ditar o "Brexit", a saída do Reino Unido da UE.

A possibilidade de Londres e Bruxelas não conseguirem alcançar um acordo é, de longe, o cenário mais oneroso para os contribuintes britânicos, prevê o think  tank: 81 mil milhões de libras (quase 94 mil milhões de euros) por ano.

Um acordo de livre comércio entre a União e o Reino Unido, em moldes semelhantes ao que existe com o Canadá é o segundo cenário mais caro – 57 mil milhões de libras (quase 66 mil milhões de euros) anuais –, sendo que a chamada “Opção Noruega” é a que implicaria menos perdas – 17 mil milhões de libras (20 mil milhões de euros) por ano.

Este último cenário pressupõe a manutenção do Reino Unido no Espaço Económico Europeu, o que lhe oferece possibilidades reduzidas de controlar os fluxos migratórios ou de proteger o mercado interno, como promete o Governo britânico, por estar intimamente ligado com as regras do Mercado Único Europeu e com as quatro liberdades: pessoas, bens, serviços e capitais.

De qualquer forma, é este o cenário preferido pela maioria das pessoas que participaram na sondagem da Global Future: 51% dos inquiridos daria prioridade à “Opção Noruega”. Comparando este cenário ao favorito do Governo de May, o primeiro ganhou ligeira vantagem nas preferências dos que votaram pela saída do Reino Unido: 37% contra 36%.