Rio disponível para "todos os acordos estruturais de que Portugal precise"

Líder do PSD remete mais declarações para quarta-feira, quando assinar com o Governo os acordos sobre descentralização e fundos comunitários.

Rui Rio durante uma visita a uma unidade de saúde na segunda-feira
Foto
Rui Rio durante uma visita a uma unidade de saúde na segunda-feira LUSA/PAULO NOVAIS

O presidente do PSD, Rui Rio, manifestou hoje disponibilidade para falar com o Governo e outros partidos sobre "todos os acordos estruturais de que Portugal precise", incluindo no sector da saúde.

No final de uma audiência com a Associação Nacional dos Cuidados Continuados, na sede nacional do partido, em Lisboa, Rio recusou falar sobre os acordos que serão formalizados na quarta-feira com o Governo, pelas 18h, sobre descentralização e fundos comunitários.

"Amanhã ao fim da tarde vou falar sobre isso. Esta semana é dedicada à saúde, se falar de outra coisa que não saúde estou a desvirtuar", justificou Rio, em declarações aos jornalistas.

Questionado sobre a convenção anunciada hoje pelo bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, com o objectivo de criar um "pacto nacional" na área da saúde, o presidente do PSD manifestou-se disponível para todos os entendimentos estruturais de que o país precise.

"Se o Governo e outros partidos entenderem que sobre matéria de saúde e Serviço Nacional de Saúde (SNS) há uma reforma estrutural a fazer e pactos a assinar, estamos abertos a todos os acordos estruturais", afirmou Rio, admitindo que não falou com o Governo sobre um eventual entendimento nesta área.

O líder do PSD recordou aquilo que chama a sua "regra" na vida política: "Primeiro Portugal, depois o partido, depois nós próprios".

"Tudo aquilo de que o país precise e que não possa ser feito só por um Governo, que precise da ajuda dos outros partidos, estamos disponíveis para isso", disse, escusando-se a responder a outras perguntas fora do âmbito da saúde.