Morreu o antigo ditador Efrain Ríos Montt

Tinha sido condenado por genocídio e crimes de guerra, mas acabou por ver o julgamento ser anulado por um incidente processual.

Foto
Reuters/JORGE DAN LOPEZ

O ex-ditador guatemalteco Efran Ríos Montt morreu este domingo, aos 91 anos, na Cidade da Guatemala. De acordo com os advogados do antigo líder militar, terá morrido na sequência de um ataque cardíaco. Há vários anos que sofria de problemas respiratórios e do coração, bem como de demência.

O general Ríos Montt foi um dos mais sanguinários líderes latino-americanos dos anos 80. Apenas ano e meio no poder, entre 1982 e 1983, na sequência de um golpe militar, Ríos Montt é acusado de ter arrasado povoações indígenas inteiras sob o pretexto da perseguição a rebeldes marxistas.

Formado numa academia militar norte-americana no antigo território do Canal do Panamá, Ríos Montt foi um dos principais aliados dos EUA de Ronald Reagan na região.

Derrubado em 1983 pelo seu próprio ministro da Defesa, Ríos Montt evitou a justiça durante várias décadas por ocupar um lugar no Congresso, o que lhe conferiu imunidade.

Seria condenado a 80 anos de prisão em 2013 por genocídio e crimes de guerra, mas o julgamento acabaria por ser anulado pelo Tribunal Constitucional devido a um incidente processual – não tinha sido apreciada uma queixa da defesa contra dois membros do colectivo de juízes, invalidando os actos posteriores. O caso voltaria a ser retomado, apesar de a defesa argumentar que o frágil estado mental do ex-ditador impedia um julgamento justo.