Novo bispo do Porto promete atenção ao diaconado, nomeadamente feminino

D. Manuel Linda, nomeado esta quinta-feira bispo do Porto, propõe-se reconduzir a Igreja a uma tal simplicidade que "a constitua referencial ético para o mundo actual".

Foto
D. Manuel Linda considerou a nomeação "uma feliz surpresa" (foto de arquivo) Paulo Novais/Lusa

Nomeado ontem bispo do Porto, o até agora bispo das Forças Armadas e de Segurança, D. Manuel Linda, prometeu fazer tudo para valorizar o diaconado e disse aprovar "a 200 por cento" a decisão do Papa de constituir uma comissão para estudar o sacerdócio e, consequentemente, "o diaconado feminino hipotético". 

"Acredito no diaconado", declarou, prometendo fazer tudo para, enquanto bispo da diocese mais populosa do país, "valorizar" os diáconos permanentes, não apenas por causa da redução do número de sacerdotes, mas "fundamentalmente pela dignidade constitutiva do próprio ministério do diaconado". Recusando que o diaconado feminino seja um tabu dentro da Igreja, D. Manuel Linda colocou-se ao lado do Papa na decisão de estudar as formas de acesso ao sacerdócio. 

À beira de fazer 62 anos, o novo bispo do Porto prometeu olhar para as "franjas e periferias" da nova diocese, reforçando assim o teor da mensagem que fizera acompanhar o anúncio da sua nomeação em que se dirigiu aos "pobres, desempregados, doentes, idosos e detidos e quantos perderam a esperança" e prometeu, "à imagem do Papa Francisco", ser um "pastor com o cheiro das ovelhas". "Procurarei reconduzir a Igreja a uma tal simplicidade evangélica que a constitua referencial ético para o mundo actual", propôs-se.

O Porto estava sem bispo desde o dia 11 de Setembro, quando D. António Francisco dos Santos sucumbiu a um ataque cardíaco, aos 69 anos de idade. A escolha de D. Manuel Linda, de entre uma lista de três nomes propostos ao Vaticano, e que incluía o bispo de Coimbra e o actual auxiliar do Porto, D. Augusto Azevedo, vem agora colmatar esse vazio.

Manuel da Silva Rodrigues Linda formou-se no Seminário Maior do Porto, ordenou-se padre em Vila Real e foi bispo auxiliar de Braga. Em 2014 sucedeu a D. Januário Torgal Ferreira como bispo das Forças Armadas e da Segurança. 

O sucessor de António Francisco dos Santos tem amiúde tomado posições públicas contra “a indignidade da pobreza”. No pico da crise, chegou a apelar a uma “renúncia aos direitos burgueses em favor dos pobres”, dando como exemplo a necessidade de renunciar a automóveis “topo de gama” para permitir a aquisição de medicamentos que um qualquer vizinho não pudesse comprar.

Mais tarde, em 2015, acusou a “sobranceria” dos deputados quando o Parlamento recusou discutir uma petição popular que procurava restringir as possibilidades de recurso ao aborto.

Agora, D. Manuel Linda aproveitou também para se dirigir aos padres, "alguns já tão cansados, que aguentam o peso do trabalho e a desconfiança de uma sociedade em continua mutação". 

Com mais de dois milhões de habitantes, a diocese do Porto compõe-se de 477 paróquias que se estendem por 26 concelhos. D. Manuel Linda é o seu 10º bispo nos últimos 100 anos, sucedendo a nomes como D. António Ferreira Gomes, D. Armindo Lopes Coelho, D. Manuel Clemente e, finalmente, D. António Francisco dos Santos. 

Com a nomeação de D. Manuel Linda, falta agora escolher o seu sucessor nas Forças Armadas (até lá, Manuel Linda deverá continuar a desempenhar as funções de administrador apostólico do Ordinariato Castrense), bem como os novos bispos para Viseu, Évora, Funchal e Vila Real. 

Sugerir correcção