Trump prepara novo pacote de tarifas, desta vez contra a tecnologia chinesa

A Casa Branca diz que ainda não existe uma decisão final e recusou dar mais pormenores sobre as taxas aduaneiras que estarão a ser preparadas contra Pequim.

Foto
Reuters/KEVIN LAMARQUE

O Presidente norte-americano Donald Trump está a preparar um novo pacote de tarifas de importação com a China como alvo, e com particular foco nos sectores da tecnologia e comunicação, cujas importações estão avaliadas em 60 mil milhões de dólares, noticia a Reuters.

De acordo com uma das fontes citadas pela agência noticiosa, o anúncio oficial da decisão deverá acontecer “num futuro muito próximo”. A lista, que visa essencialmente a alta tecnologia e a electrónica de consumo, poderá estender-se a mais de 100 produtos.

A medida segue-se a uma investigação a alegadas práticas comerciais abusivas por parte de Pequim, que obriga empresas norte-americanas a abdicarem dos direitos de propriedade intelectual para operarem na China. A investigação tinha sido ordenada por Trump ao seu conselheiro para o comércio, Robert Lighthizer, em Agosto de 2017.

De acordo com o jornal Politico, a ordem para a preparação de novas tarifas foi dada por Trump na semana passada, durante uma reunião em Washington com conselheiros e membros da sua Administração. Para já, a Casa Branca recusou prestar qualquer declaração à Reuters. Ao Politico, um conselheiro próximo de Trump ressalva que o governo “não comenta reuniões internas”, acrescentando no entanto que “não foram tomadas nenhumas decisões finais a respeito da quantidade [de produtos abrangidos pelo aumento de tarifas] ou da data de aplicação”. Os EUA têm um défice de 375 mil milhões de dólares nas trocas comerciais com a China e Trump disse várias vezes querer reduzir esse valor.

O Politico acrescenta ainda que a Admnistração está a ponderar restringir os vistos atribuídos a chineses ou a apertar o controlo à exportação de produtos tecnológicos para uso civil e militar.

O anúncio surge após a aprovação de novas taxas alfandegárias sobre o aço e o alumínio, às quais apenas escapam — por agora — Canadá e México. A taxa aduaneira será de 25% para o aço e de 10% para o alumínio.

Na passada semana, o principal conselheiro económico de Donald Trump, Gary Cohn, anunciou que iria abandonar o cargo. Em causa estarão divergências sobre a política de comércio defendida pelo Presidente norte-americano. Já esta terça-feira foi a vez de o secretário de Estado, Rex Tillerson, ser despedido por Trump. O Presidente dos EUA e o seu antigo chefe de diplomacia discordavam em várias questões de política externa e a tensão agravou-se ao longo dos últimos meses.