Linha amarela vai acabar em Telheiras e deixar de ir até ao centro

Passageiros da zona norte da cidade terão de trocar de linha no Campo Grande para alcançar o centro de Lisboa — o que PCP, BE e PSD temem que signifique um desinteresse neste meio de transporte.

Foto
PBC PEDRO CUNHA

A linha amarela do Metro de Lisboa vai mesmo passar a ligar apenas Odivelas a Telheiras. A alteração ocorrerá quando estiver concluída a expansão entre o Rato e o Cais do Sodré, que transformará a actual linha verde numa linha circular (ao incluir o percurso que actualmente integra a linha amarela entre o Campo Grande e o Rato numa rota circular pelo centro da cidade). Assim, milhares de passageiros que hoje apanham o metro no concelho de Odivelas e na parte alta de Lisboa vão ser obrigados a mudar de linha no Campo Grande para chegar a estações como o Rato, o Marquês de Pombal ou o Saldanha, no centro da capital, que transitam para a futura linha verde circular.

Isto corresponde ao que o Metro e o Governo anunciaram no ano passado, mas o presidente da Câmara Municipal de Odivelas disse esta terça-feira no Parlamento que se manifestou contra essa decisão e que o Metro lhe assegurou que havia a hipótese de a linha amarela continuar a funcionar entre Odivelas e o Rato, a par com a futura linha circular. Duas horas depois, o presidente do Metro desfez ilusões: “O que se pretende para a linha amarela é que funcione como uma linha radial, terminando em Telheiras.”

Mais de dez meses depois de anunciada a expansão do metro, a Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas da Assembleia da República ouviu autarcas, sindicalistas e a administração do Metro.

Lá, Hugo Martins, autarca de Odivelas eleito pelo PS, disse que ficou “bastante apreensivo” com o que foi apresentado em Maio de 2017, sobretudo por causa do previsto “encurtamento da linha” amarela. O presidente referiu que as estações de Sr. Roubado e Odivelas são pequenas para a quantidade de passageiros que têm e transmitiu as suas preocupações ao Metro, que lhe terá respondido que o plano de expansão não tinha necessariamente de implicar mudanças no funcionamento da linha amarela.

Mas Vítor Santos, presidente do conselho de administração do Metro, afirmou mais tarde que essa hipótese nem se coloca, até porque os estudos que a empresa encomendou mostram que a linha circular tem “maior potencial de captação de passageiros” do que qualquer outra possibilidade de expansão da rede. Esta linha é “o primeiro passo para a criação de uma futura rede de transportes que abarque toda a região de Lisboa”, disse o responsável, defendendo que nas periferias se opte, por exemplo, por formas de transporte mais ligeiras. É que, segundo Vítor Santos, o metropolitano é caro e só compensa financeiramente com muitos passageiros e altas frequências de passagem. “Não pode ser uma espécie de Intercidades. A linha circular vai conseguir intervalos de passagem inferiores a quatro minutos.”

À excepção do PS, todos os partidos estão contra esta proposta de expansão, que consideram não responder aos problemas reais de mobilidade na área metropolitana. Também os sindicatos ouvidos e a comissão de trabalhadores manifestam grandes dúvidas face à decisão do executivo.

Heitor Sousa, deputado do Bloco de Esquerda, lamentou que a prioridade não seja a zona ocidental de Lisboa, mas considerou “ainda mais graves” as implicações na linha amarela. “Vai perder a sua unidade. As pessoas vão ser obrigadas a fazer transbordo. É um erro grave, é um convite a que as pessoas não usem o metro”, disse. Semelhantes críticas fizeram Bruno Dias, do PCP, e Carlos Silva, do PSD, que disse mesmo que “este é o projecto mais centralizador que o Governo já apresentou.”

Bernardino Soares, presidente da câmara de Loures (PCP), disse não entender porque é que a linha circular é mais prioritária do que as outras obras previstas no plano de expansão de 2009 no qual o Governo se baseia. Aludindo a uma petição com 31 mil assinaturas, apoiada por todos os partidos na câmara, o autarca disse que o prolongamento do metro até Sacavém, Portela, Loures e Infantado “é uma necessidade imperiosa”, uma vez que “não há rede de transporte pesado no concelho de Loures”. Para o deputado Bruno Dias “não é justo que nove anos depois de anunciada a expansão” para Loures e para outras zonas de Lisboa, esta leve um “veto de gaveta” e que se anunciem mais estudos para depois então tomar decisões definitivas. Mas é isso que está previsto. Questionado, Vítor Santos não indicou qual o próximo projecto de expansão. “Será o poder político a dizer o que se segue”, afirmou.