Shenton cumpriu a promessa e fez o seu discurso em língua gestual

As mãos trémulas e o curto tempo de agradecimento não impediram a realizadora e protagonista Rachel Shenton de cumprir a promessa e passar a sua mensagem não só com a voz, mas também com as mãos.

Fotogaleria
Reuters/LUCAS JACKSON
Fotogaleria
LUSA/PAUL BUCK
Fotogaleria
Reuters/MARIO ANZUONI
Fotogaleria
Reuters/CARLO ALLEGRI

Depois de a curta-metragem The Silent Child vencer o Óscar de Melhor Curta-Metragem, a actriz e argumentista Rachel Shenton subiu a palco juntamente com Chris Overton. Para agradecer, Shenton falou não só com a voz, mas também com as mãos trémulas. “Fiz uma promessa à nossa protagonista de seis anos que iria falar em língua gestual, mas as minhas mãos estão a tremer portanto peço desculpa” — ninguém pareceu ligar e a actriz continuou o seu discurso, das duas formas.

A história da curta premiada gira em torno de Libby, uma criança de quatro anos surda, que vive num mundo de silêncio até que uma professora a ensina que também é possível falar através das mãos. “Não é exagerado nem sensacionalista, isto acontece, milhões de crianças por todo o mundo vivem em silêncio e enfrentam barreiras de comunicação e dificuldades em ter acesso à educação”, prosseguiu Shenton, emocionada.

Por fim, agradeceu à Academia por possibilitar que esta mensagem chegue a mais gente já que a surdez, diz, faz sofrer de forma “silenciosa”.