Frio da Sibéria já fez 60 mortos em diferentes países

Dados mais recentes elevam o número de vítimas mortais, a maioria na Polónia.

Fotogaleria
Reuters/CLODAGH KILCOYNE
Fotogaleria
Reuters/HENRY NICHOLLS
Fotogaleria
LUSA/NEIL HALL
Fotogaleria
Reuters/PETER CZIBORRA
Fotogaleria
Reuters/CLODAGH KILCOYNE

A vaga de frio causada por massas de ar gelado provenientes da Sibéria e da Escandinávia e que tem afectado diferentes países da Europa já fez 60 mortos. Pelo menos 23 vítimas mortais viviam na Polónia, segundo os dados mais recentes citados pela AFP ao final desta sexta-feira. A maioria das vítimas mortais eram sem-abrigo.

A “besta do Leste” ou o “urso siberiano”, como foi apelidada esta vaga de frio, tem sido sentido um pouco por todo o continente europeu. Na Polónia, onde foi registado o maior número de mortes, as temperaturas desceram até aos -15 graus Celsius.

Em toda a Europa, a neve e o gelo causaram estragos nas estradas, muitos voos foram cancelados ou atrasados e falhas na electricidade devido à intensa tempestade de neve.

Na Irlanda, o Governo decretou o encerramento de todas as escolas e apelou à população para que evitasse sair de casa ou conduzir. O frio é tal que o Exército britânico foi recrutado para apoiar as equipas de reposta e socorro. Em Itália, linhas de comboio e estradas foram cortadas.

Também na Ucrânia as instituições escolares foram encerradas para poupar gás, consequência da recusa da Rússia em fornecer mais energia, conta a BBC.

No total morreram sete pessoas na Eslováquia, seis na República Checa, cinco na Lituânia, cinco em França (incluindo as vítimas da avalanche desta sexta-feira) e pelo menos três em Espanha. Itália, Roménia e Eslovénia registam duas vítimas mortais, respectivamente. Reino Unido, Holanda e Suécia registam um morto cada.