Co-fundador da Microsoft investe 125 milhões para dar senso comum às máquinas

“Senso comum é o conhecimento do dia-a-dia que virtualmente qualquer humano sabe, mas nenhuma máquina tem", diz Paul Allen.

Foto
Paul Allen acredita que as máquinas podem ser melhores com um pouco mais de conhecimento básico do mundo Reuters/Fred Prouser

O co-fundador da Microsoft vai investir mais 125 milhões de dólares (cerca de 102 milhões de euros) nos próximos três anos para equipar máquinas com senso comum. O objectivo é garantir que a inteligência artificial sabe que não se deve virar um copo cheio de água ao contrário (a não ser para a deitar fora), que um elefante não cabe na porta da cozinha, e que quando se arruma um casaco no armário, ele ainda está lá na manhã seguinte. 

“A inteligência artificial ainda carece daquilo que a maioria das crianças de dez anos já tem”, frisou Paul Allen, que ajudou Gates a fundar a Microsoft durante a década de 1970 e se dedica agora a actividades de filantropia. “Senso comum é o conhecimento do dia-a-dia que virtualmente qualquer humano sabe, mas nenhuma máquina tem”, observou, em comunicado.

O dinheiro vai duplicar o orçamento actual que Paul Allen dedica ao Allen Institute for Artificial Intelligence (AI2), o laboratório de informática sem fins lucrativos que fundou em 2012. A maior parte do investimento vai para o Projecto Alexandria, uma nova base de dados que inclui informação que os humanos aprendem instintivamente enquanto crianças para criar máquinas melhores a traduzir e identificar objectos. O nome é uma homenagem à Biblioteca de Alexandria, no Egipto, que outrora foi o maior centro de saber da Antiguidade.

O projecto de Paul Allem tem raízes no século passado. Em meados na década de 1980, Doug Lenat, um professor da Universidade da Flórida juntou uma equipa para programar factos que o humano aprende durante a infância, em máquinas (por exemplo, “ é impossível estar em dois sítios ao mesmo tempo”). Em 2018, o trabalho ainda não acabou.

Paul Allen, que ajudou a financiar o projecto de Lenat, acha que com o Projecto Alexandria o processo vai ser mais rápido porque as tecnologias modernas ajudam as máquinas a aprender mais rapidamente.

A falta de senso comum, porém, não é o único limite da inteligência artificial. Se as máquinas não aprenderem a partir de dados diversos que considerem diferentes populações (relativamente à idade, género, etnia, nacionalidade, sexualidade), podem existir problemas. É algo de que o Google está consciente: os sistemas inteligentes da empresa já classificaram imagens de jovens negros como gorilas, e deram uma conotação negativa a palavras como “homossexual” ou "judeu".

O Google quer garantir que mais pessoas dominam o tema da inteligência artificial e ajudam a criar as máquinas. “É crucial que a inteligência artificial possa reflectir uma diversa variedade de perspectivas e necessidades humanas,” escreveu Zuri Kemp, gestora de produto do Google, na apresentação do Learn With AI.

Trata-se de um novo site do Google, onde os interessados podem aceder a tutoriais gratuitos com conceitos-chave sobre inteligência artificial. A página inclui ainda um "curso acelerado", para quem já tem conhecimentos. Foi originalmente criado para ajudar os funcionários da empresa. O objectivo do Google é que, no futuro, todos possam ajudar a construir o conhecimento das máquinas.