“A cidadania experimenta-se, não se pode aprender só nos livros”

Projecto europeu recomenda mais espaços de debate nas escolas para promover participação cívica. Alunos querem discutir questões políticas europeias dentro e fora da sala de aula.

Em Fevereiro, os alunos do Liceu Camões, em Lisboa, manifestaram-se contra as más condições do edifício e o atraso no início das obras
Foto
Em Fevereiro, os alunos do Liceu Camões, em Lisboa, manifestaram-se contra as más condições do edifício e o atraso no início das obras Sebastião Almeida

É um apelo dos alunos e uma conclusão dos especialistas: querem uma escola mais democrática, com mais espaços para falar sobre política, para colocar questões ou simplesmente conversar. Ainda há espaço para aproveitar melhor a diversidade dentro da escola como “uma experiência de verdadeira democracia”, sublinha Isabel Menezes, investigadora da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP).

O contexto é o projecto europeu Catch-Eyou, que se dedicou nos últimos três anos a compreender os factores que influenciam as perspetivas dos jovens de seis países — Portugal, Itália, República Checa, Alemanha, Suécia e Estónia — sobre a União Europeia e as atitudes dos mais novos enquanto cidadãos europeus. Os investigadores acabam de apresentar na Estónia as conclusões de uma parte do projecto liderada pela equipa portuguesa, relativa à influência da escola na promoção de uma cidadania activa.

Nesta terça-feira, o secretário de Estado da Educação, João Costa, estará na FPCEUP a ouvir professores e estudantes, num seminário sobre o papel das escolas na promoção da cidadania activa de jovens europeus.

Em conversa com o PÚBLICO, Isabel Menezes sublinha o papel da escola pública como um local de encontro de pessoas de diferentes níveis sociais e comunidades diversas, onde é possível viver uma espécie de “experiência fundadora da sua experiência democrática, ou da falta dela, que vai ser importante no resto da vida”. E, para muitos, persiste o sentimento de que existe “um défice de poder efectivo dos jovens no contexto da escola”. Segundo a investigadora do Centro de Investigação e Intervenção Educativas da FPCEUP, os alunos relatam: “As pessoas dizem ‘vocês podem participar, digam a vossa opinião’, mas depois nada acontece quando nós damos a nossa opinião."

Mas que vivência democrática é possível na escola? “Não é só a ideia de que uma democracia é onde toda a gente vota. Vão aprender a defender colegas mais fracos e vão aprender a respeitar aquilo que são as regras e as leis que estão definidas no interior da escola. Vão aprender a protestar, e vão aprender que às vezes os protestos não têm resultados. Aprende-se que no jogo democrático às vezes se ganha, às vezes se perde."

Alunos despolitizados? Nem por isso

Nos currículos, há também poucas pontes entre as temáticas estudadas sobre a União Europeia e a face concreta com que estas questões se apresentam na vida dos jovens. A análise dos manuais feita pelos investigadores da Universidade do Porto e os parceiros do projecto mostra que os jovens já aprendem sobre a Europa sob uma perspectiva histórica e institucional. Contudo, os alunos pedem mais espaços para “discutir questões políticas relativamente à Europa e à forma como elas se relacionam com aquilo que são os grandes temas contemporâneos”, relata Isabel Menezes.

E são os próprios estudantes que fazem as ligações do que aprendem com a “vida real”. “Esta questão da crise dos refugiados, isto já aconteceu noutras alturas na Europa e nós ontem falamos disso em História, mas depois não relacionamos isso com aquilo que acontece hoje em dia”, dizem os alunos aos investigadores do Catch-Eyou. Querem, por isso, mais espaços para conversar - para “discutir um tema político, um assunto político”, refere a coordenadora do projecto em Portugal.

Por cá, foram alunos de quatro escolas do ensino secundário que partilharam as suas experiências de cidadania e participação. E a ideia de que os alunos são despolitizados também é desmontada pela investigadora da FPCEUP: muitos mostraram-se disponíveis e interessados em debater temas da actualidade, e não apenas questões locais.

É o que também nota Hugo Carvalho, presidente do Conselho Nacional da Juventude (CNJ): “Não faltaram jovens a comentar o 'Brexit', não faltaram jovens a comentar a eleição de Trump. Estamos talvez mais afastados da política tradicional, mas estamos atentos." E estas discussões, que muitas vezes se iniciam nas redes sociais, também poderiam ser debatidas na escola.

Hugo Carvalho foi um dos participantes na conferência sobre “A construção da cidadania ativa de jovens europeus”, realizada na passada quinta-feira na FPCEUP. Além de representantes de organizações juvenis, o evento contou com a presença dos eurodeputados Carlos Coelho e Marisa Matias. Um dos focos do debate foi a importância das experiências de participação europeias, que começam em intercâmbios como o programa Erasmus mas não se ficam por aí.

O presidente do CNJ refere ao PÚBLICO o bom exemplo de projectos locais como o Jovem Autarca, em Santa Maria da Feira, “que põe as escolas a eleger um representante que vai executar um orçamento”. “A democracia e a cidadania experimentam-se, não se podem aprender só nos livros”.

Violência no namoro levada a Bruxelas

E se os jovens querem mais espaços de debate nas escolas, querem também ser ouvidos. Para sentirem que a sua palavra conta também é necessária mais comunicação dos agentes políticos com os estudantes. “É preciso haver esta disponibilidade da política ir à escola, os políticos irem à escola para discutir com os miúdos aquilo que é a legislação, os problemas contemporâneos."

Para Hugo Carvalho, esta disponibilidade para ouvir os mais novos tem potencial para dar muitos frutos. Dá o exemplo do diálogo estruturado, um processo que promove o debate entre jovens e decisores públicos sobre questões da juventude, e que deu origem a políticas de destaque como a Garantia Jovem, o programa que apoia jovens até aos 29 anos na procura de emprego.

Também no Catch-Eyou haverá espaço para rapazes e raparigas serem ouvidos. Em Setembro, em Bruxelas, grupos de jovens de cada país envolvido no projecto vão apresentar um problema da comunidade pensado como um problema ao nível europeu, e discutir possíveis recomendações ou soluções que encontraram. No caso português, os jovens escolheram falar sobre a violência no namoro.