Conferência National Geographic traz a Lisboa Sylvia Earle e Terry Virts

A 11 e 12 de Abril a Conferência National Geographic volta a Portugal e os bilhetes já estão à venda.

Foto
A bióloga marinha Sylvia Earle Kip Evans

Caras bem conhecidas da National Geographic voltam a contar as suas aventuras em Lisboa já a 11 e 12 de Abril. A bióloga marinha Sylvia Earle, o astronauta Terry Virts, a activista Hyenseo Lee, a jornalista Mariana Van Zeller e o fotojornalista Charlie Hamilton James são os “exploradores” escolhidos para este ano. A Conferência National Geographic (National Geographic Summit) vai realizar-se no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, e os bilhetes já estão à venda.

“Como podemos aproximar a nossa intervenção [das pessoas]?”, é assim que Luís Fernambuco, responsável pela National Geographic em Portugal expõe os objectivos da conferência. “A nossa intenção é a de aproximar o público da National Geographic, que já está em Portugal de forma significativa com a revista, o canal de televisão ou os bolseiros de investigação.” Por isso, no ano passado, organizou-se no Teatro Tivoli, em Lisboa, a primeira Conferência National Geographic fora dos EUA. “Foi algo pioneiro no âmbito da National Geographic”, frisa. Seguiu-se uma dessas conferências em Itália e, este ano, depois de Lisboa, também Madrid e Paris vão ter uma.

PÚBLICO -
Foto
Luís Fernambuco, responsável pela National Geographic em Portugal DR

“Fazemos um balanço muito positivo”, considera Luís Fernambuco sobre a iniciativa de 2017. “O mais importante foi a qualidade dos oradores. Tivemos a Jane Goodall, que é a estrela da National Geographic, tem mais de 80 anos e dedica 300 dias do seu ano a palestras pelo mundo. É absolutamente mágico ouvi-la falar.” Destaca ainda a participação do activista especialista em desperdício alimentar Tristram Stuart e da fotógrafa Jodi Cobb. “É uma forma de trazer as pessoas para as nossas preocupações: a ciência e a investigação, a exploração e a conservação.”

Este ano a fórmula repete-se. Mas há novidades: “Quisemos ampliar a dimensão, porque ficámos com a sensação que podia ter sido maior. Vamos ter mais oradores, uma masterclass e mudámo-nos para um sítio maior.” A edição do ano passado esgotou os lugares do Teatro Tivoli e agora passa para o Coliseu de Lisboa.

PÚBLICO -
Foto
O astronauta Terry Virts Cortesia de Terry Virts

Vamos então aos cinco oradores deste ano. Todos vão contar as suas histórias a 11 de Abril. A manhã começará com o astronauta Terry Virts. Quando se pensou em nomes para a conferência, Luís Fernambuco conta que alguém disse logo que teria de haver um astronauta. Terry Virts é norte-americano e foi seleccionado em 2000 como astronauta pela NASA. Em 2010, realizou o seu primeiro voo espacial como piloto do vaivém Endeavor. Em 2014, voou numa nave espacial russa Soiuz para a Estação Espacial Internacional (ISS). No ano seguinte, assumiu o cargo de comandante de uma expedição da ISS. Ao todo, esteve cerca de 200 dias no espaço. “Terry é um dos únicos quatro astronautas que já pilotaram uma nave espacial, voaram na nave espacial russa Soiuz, realizaram passeios espaciais e comandaram a ISS”, lê-se num comunicado da National Geographic. Agora, além de vir a Lisboa, também pode ser visto no documentário A Beautiful Planet.

Portuguesa entre os oradores

A manhã terminará com a activista Hyeonseo Lee. Cresceu na Coreia do Norte, mas fugiu do país aos 17 anos para a China. Aos 28 anos mudou-se para a Coreia do Sul. Tornou-se uma defensora dos direitos dos refugiados e ajudou familiares a deixar a Coreia do Norte depois de se terem tornado alvos do regime. “Os desertores da Coreia do Norte passam, muitas vezes, dificuldades na Coreia do Sul, afirmou Hyeonseo Lee numa entrevista para o The Wall Street Journal: ‘Nós, os desertores, temos de começar do zero. Os preconceitos contra os norte-coreanos e os olhos gelados eram outros obstáculos difíceis de lidar’”, refere-se no comunicado. As suas histórias estão relatadas no livro The Girl with Seven Names e numa Conversa TED

E é uma portuguesa que abrirá a conferência à tarde: a jornalista Mariana Van Zeller. Começou a sua carreira na SIC em Portugal e partiu em 2001 para Nova Iorque para estudar jornalismo. É correspondente do canal National Geographic e já reportou a deslocação de sírios para o Iraque, a disputa entre índios e mineiros na Amazónia ou o desespero de migrantes da América Central para entrarem nos EUA. Em 2009, o seu documentário sobre abuso de drogas com prescrição e o tráfico de comprimidos nos EUA foi distinguido com o Prémio Peabody. E, em 2011, recebeu o prémio Livingston para jovens jornalistas pelo seu relato sobre as violações e violência sexual em reservas índias nos EUA.

PÚBLICO -
Foto
O fotojornalista Charlie Hamilton James DR

Segue-se uma história sobre fotografias com Charlie Hamilton James. A sua especialidade é fotografar a vida selvagem e a conservação. Muito do seu trabalho é realizado na América do Norte, na África oriental e na Amazónia. Para a National Geographic, por exemplo, já fotografou lontras e guarda-rios (aves). Já venceu a medalha da Royal Television Society e o prémio de Fotógrafo de Natureza Selvagem do Ano da Veolia.

O dia terminará com a bióloga marinha Sylvia Earle. “É a versão dos oceanos da Jane Goodall”, diz Luís Fernambuco. A norte-americana foi a primeira cientista-chefe da agência dos oceanos e da atmosfera dos EUA (NOAA) em 1990 e tem mais de 175 publicações sobre oceanos. Agora aconselha chefes de Estado sobre a legislação de protecção marinha. “Earle lembra-nos que há razões para ter esperança – que o declínio continuado na saúde do nosso oceano é evitável, não inevitável”, lê-se no comunicado.

PÚBLICO -
Foto
A bióloga marinha Sylvia Earle Kip Evans

A 12 de Abril haverá mais. “No segundo dia temos um momento só para crianças”, salienta Luís Fernambuco. Se no ano passado cerca de 500 crianças da região de Lisboa falaram com Jane Goodall, este ano a dose repete-se com o astronauta Terry Virts. À tarde há uma masterclass sobre storytelling com o jornalista Will Storr. A intervenção é mais direccionada para empresas e patrocinadores, mas pode participar quem estiver interessado.

O PÚBLICO é o media partner da conferência. Os bilhetes já estão disponíveis: os preços variam entre os 35 euros e os 100 euros, havendo um desconto até 50% numa fase inicial (até 15 de Março). 

Notícia corrigida a 20 de Fevereiro às 11h21: houve uma alteração do programa da conferência e, em vez de Thomas French, será o jornalista Will Storr que leccionará a masterclass

Sugerir correcção