Santana responsabiliza Rio por não ter havido lista conjunta para a CPN

Recém-eleito presidente do Conselho Nacional recusa comentar a escolha de Elina Fraga para a nova direcção do partido, mas revela que as suas escolhas seriam diferentes.

Foto
Santana Lopes é agora o presidente do Conselho Nacional do PSD LUSA/MIGUEL A. LOPES

O novo presidente do Conselho Nacional do PSD, Pedro Santana Lopes, distanciou-se do resultado alcançado este domingo por Rui Rio para a Comissão Política Nacional (CPN), que obteve 64,7% dos votos, e declarou que a responsabilidade de não ter sido apresentada uma lista conjunta para a CPN é do líder do partido.

“Para a Comissão Política, não houve listas conjuntas, a responsabilidade é dele [Rui Rio] e ele assume-a de certeza absoluta, afirmou.

 “O doutor Rui Rio teve mais votos para a Comissão Política do que teve nas [eleições] directas”, comparou Santana, dizendo que “é preciso pensar positivo”. “É aquilo que eu faço”, rematou, em declarações aos jornalistas, antes de os resultados oficiais das listas para os órgãos nacionais do partido terem sido anunciados.

Quanto à votação que a lista conjunta que encabeçou para o Conselho Nacional e que elegeu 34 conselheiros nacionais num total de 70, revelou que esperava” um bom bocado pior, face ao descontentamento que existia”.

“No que respeita à votação para a lista para o Conselho Nacional confesso que sendo o melhor resultado que eu pude conferir, com listas conjuntas ou sem listas conjuntas, estou bastante contente. Com a insatisfação que havia esperava um bom bocado pior”, declarou, revelando que “em anos anteriores a lista oficial elegeu 25 ou 32 agora. Tendo eleito 34 [conselheiros nacionais] e tendo ficado perto dos 50% em oito listas acho que foi melhor do que eu esperava”.

Sobre o facto de a lista de Rui Rio tem obtido uma percentagem significativa de votos brancos (190) e nulos (69) para a Comissão Política Nacional, Santana disse que “isso já aconteceu”. “O doutor Rui Rio teve mais votos para a Comissão Política do que teve nas directas”, comparou, repetindo que “é preciso pensar positivo”.

Questionado sobre a escolha de Elina Fraga, ex-bastonária da Ordem dos Advogados, para a vice-presidente de Rui Rio, Santana recusou “entrar nessa polémica”, alegando que “cada líder tem as suas equipas” e assume que com ele as opções “não seriam exactamente iguais”. “Respeito as escolhas que o doutor Rui Rio fez. Para a Comissão Política, não houve listas conjuntas, a responsabilidade é dele e ele assume-a de certeza absoluta”.

Sugerir correcção