No Ponto: ganchas de São Brás

Regularmente, a Fugas revelará um vídeo novo sobre um doce diferente.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Em Vila Real, os namorados não esperam pelo São Valentim para cortejarem as mulheres com doces. Logo no dia 3 de Fevereiro é dia de São Brás. E diz a tradição local que os homens deverão oferecer a gancha do santo — "pura e simplesmente" feita de água e açúcar — às mulheres pretendidas. Elas, por sua vez, tiveram o dia de Santa Luzia, 13 de Dezembro, para escolherem a quem dar o pito, que é outro doce de Vila Real.

À medida que vai enrijecendo, o açúcar caramelizado vai sendo moldado à mão até fazer a forma de uma bengala, um gancho que simboliza o báculo de São Brás. Segundo a página 178 do livro A Doçaria Portuguesa (Norte), a festa continua a incluir as vendedoras das ganchas na rua, actualmemte representadas pelas Marianas, mulheres de uma família local que se reúnem, desde há várias gerações, junto à Capela de Santo António, o Esquecido, e junto à Igreja de São Dinis, a vender as ganchas.

A Doçaria Portuguesa

Cristina Castro criou o projecto No Ponto para registar e dar a conhecer os doces do país. Tem vindo a publicar a colecção A Doçaria Portuguesa, "os mais completos livros sobre a história e actualidade dos doces de Portugal". A investigação para este trabalho levou a autora a viajar por todos os concelhos em busca de especialidades doceiras. A partir da oportunidade de ver como se faz, de falar com quem produz, de conhecer vidas, histórias e tradições associadas à doçaria, surgiram os vídeos que desvendam um pouco de cada doce. Regularmente, a Fugas revelará um vídeo novo sobre um doce diferente.