Opinião

Leiam já este livro

Se eu mandasse neste país, ofereceria um exemplar desta obra-prima da língua portuguesa, o Dicionário de Erros Frequentes da Língua, a todos os portugueses com mais de 8 anos.

Estamos todos a aprender a falar e a escrever português, excepto aquela abençoada multidão que, tendo caído no caldeirão, já sabe tudo de antemão. Sendo omnisciente, não precisa de dicionários ou de livros sobre a língua portuguesa. Sendo jovem e despreocupada, basta-lhe a erudição monumental da Internet. Para quê esfoliar a pele dos dedos a folhear (ou, como eles dizem, a desfolhar) pesados cartapácios (eles dizem catrapázios), quando bastam duas carícias no teclado para esclarecer logo todas as dúvidas num dos magníficos dicionários digitais que até fazem o favor de validar os erros mais populares dos internautas?

Claro que já não se passa sem a Internet, mas é preciso cuidado. Já há um ditado e tudo: “Se queres aprender bom portugués, cinge-te ao Ciberdúvidas, ao Chove Chove e ao Hélder Guégués.”

Foi no excelentíssimo Chove Chove, que tanta coisa boa me tem ensinado, que soube do Dicionário de Erros Frequentes da Língua de Manuel Monteiro, publicado em 2015. Li-o de uma assentada, chocado com a quantidade de erros que me acompanhou (ou acompanharam?) à minha formidável idade, entendendo-se este último adjectivo como sinónimo de assustadora.

Se eu mandasse neste país, ofereceria um exemplar desta obra-prima da língua portuguesa a todos os portugueses com mais de 8 anos. Nunca um livro divertiu e ensinou tanto. É devastadoramente útil e urgente. É uma apaixonante e inteligente declaração de guerra à ignorância, à preguiça, à complacência e à estupidez. Precisamos todos dele.