Wokandpix/Pixabay
Foto
Wokandpix/Pixabay

Megafone

A geração Y

Iludem-nos dizendo que os "millennials" não têm os sonhos que os seus pais tiveram quando, na realidade, não têm como comportar esses mesmos sonhos

Chamam-lhes millennials, geração Y, também já os apelidaram de geração à rasca, ainda que pudessem ser a geração dos desenrascados: são a geração dos runners, nascidos entre 1980 e 2000, esses impulsionadores da Economia da Partilha, por obrigação, diga-se.

Eles são esta geração, cujas borbulhas, segundo recentes estudos, permanecem até aos 24 anos de idade, arrastando a adolescência para desculpar a edificação de uma vida adulta que é cada vez mais tardia. São esta geração, muitas vezes sem carro nem casa própria, que dizem que preferem ver o seu dinheiro gasto em experiências e viagens, numa altura em que o dia de amanhã é tão incerto como o hoje.

Iludem-nos dizendo que os millennials não têm os sonhos que os seus pais tiveram quando, na realidade, não têm como comportar esses mesmos sonhos. São adultos depois dos 30, numa época em que ainda são jovens, mas deixam de ser tão jovens como foram os seus pais, e são biologicamente maduros, pensando na idade ideal reprodutiva. No fundo deixam de ser tão jovens assim quando tentam iniciar as suas vidas adultas.

O custo de vida tornou-se insuportável para os mais jovens, bem como a oferta de emprego. No entanto, outros estudos recentes referem que não teremos mão-de-obra suficiente, apropriadamente qualificada para todas as necessidades do país. Bom aqui o problema não vem de hoje. Os mais antigos e experientes provavelmente recordam as escolas industriais, repletas de cursos profissionais com créditos seguramente ao nível universitário dos nossos dias, que formavam profissionais e pessoas para aquela que é a verdadeira realidade laboral. Hoje educamos estes nossos adolescentes até aos 24 anos para frequentarem uma universidade, mesmo que o seu curso tenha uma empregabilidade reduzida.

O contexto universitário também merece reflexão. Por estes dias perguntavam-me como estava a educação em Portugal — por momentos veio-me à cabeça pensar nos próximos anos e se, efectivamente, estamos a ensinar para aquilo que serão os empregos ou se preferimos o trabalho do futuro. Claramente que a resposta é não, até porque o nosso mundo parece querer substituir-nos a todos por tecnologia quando esta deve servir para nos servirmos dela, ou seja, facilitar e melhorar as capacidades, bem como a nossa qualidade de vida. Não queremos trabalhar menos ou ver os empregos desaparecer, queremos trabalhar melhor. Não queremos algoritmos para tudo e mais alguma coisa como se as nossas vidas se medissem por padrões e amostras eliminando a unicidade e a imprevisibilidade que faz da vida uma passagem desafiante, bonita e mentalmente duradoura.

Os runners são jovens que tiveram e têm que aprender a correr contra o tempo, porque estarão sempre a viver num tempo que já não é o seu, já passou com alguns anos de distância. Os runners são jovens desenrascados e é nessa medida que muitos exploram o empreendedorismo porque as oportunidades do mundo real já não são as do passado. Já no mundo dos sonhos e das ideias as hipóteses são infindáveis e em muitos casos dão certo. Os runners gostam de percorrer maratonas, porque o tempo em que correm não é o seu. Qualquer Iron Man é um desafio fácil para os desafios que cada um dos filhos dos dias de hoje tem de enfrentar. Voltemos a ser adolescentes na altura certa antes que substituam as nossas corridas por corridas de robots.