Militantes de extrema-direita homenageiam Salazar

Cerca de 40 pessoas estiveram no Vimeiro numa iniciativa do movimento de extrema-direita Nova Ordem Social, que quer transformar-se em partido este ano.

Foto
ADRIANO MIRANDA / PUBLICO

O movimento de extrema-direita Nova Ordem Social (N.O.S.) prestou homenagem nesta manhã de sábado a António Oliveira Salazar, no Vimieiro, Santa Comba Dão. Chegaram de bandeiras e tochas que empunharam durante o discurso que um dos dirigentes do movimento proferiu junto à lápide que tem a fotografia e o nome do ditador. Entre eles, Mário Machado, antigo dirigente da Frente Nacional que esteve preso dez anos por discriminação racial e outros crimes como posse ilegal de arma e ofensa à integridade física qualificada.

No final do discurso, onde Nuno Cardoso sublinhou que a homenagem era feita ao “único dirigente político português honesto dos últimos 100 anos" foi cantado o hino nacional pelas cerca de 40 pessoas que se juntaram nesta primeira grande iniciativa promovida pelo NOS. Uma coroa de flores foi depositada na campa.

Um número de pessoas que Nuno Cardoso, um dos dirigentes, considerou “perfeitamente normal”. “As pessoas ainda vivem um bocado com medo de homenagear Salazar. É um sistema que quando se homenageira Salazar a primeira palavra que vem a boca das pessoas é fascista e é errado. Quando se dizia que antigamente no Estado Novo se vivia no medo, não, hoje é que se vive no medo”, disse.

“A PIDE foi transformada no Ministério Público e numa série de outras instituições que censuram o povo e corrompem a nossa sociedade”, acusou.

O N.O.S. quer constituir-se como partido político e, segundo Nuno Cardoso, faltam apenas duas mil assinaturas para cumprir com os requisitos legais. “Penso que durante este ano vamos conseguir esse objectivo”, anunciou.