Despoluição de terrenos nos parques empresariais do Barreiro e Seixal concluída até 2019

Remoção dos principais passivos ambientais fica concluída com empreitadas de 13,3 milhões de euros que estão a terminar.

Foto
PEDRO CUNHA

Os parques empresarias geridos pelo Estado no Barreiro e no Seixal, nos terrenos das antigas CUF e Siderurgia Nacional, deverão estar limpos de solos contaminados até ao final de 2019, anunciou o secretário de Estado do Ambiente.

Carlos Martins esteve nesta quarta-feira nos territórios geridos pela Baía do Tejo (empresa do universo Parpública) e revelou que a segunda fase da empreitada de remoção dos passivos ambientais está quase concluída.

Nesta fase dos trabalhos de descontaminação, estão em causa três empreitadas num total de 13,3 milhões de euros, designadamente para a remoção de terras com pirites verdes — obra concluída, que aguarda apenas o aterro —, de lamas de zinco — que está a decorrer — e de lamas da aciaria no Seixal — que vai começar em breve.

Com estas operações fica cumprida a limpeza da poluição ali acumulada, apontada como prioritária pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), faltando depois apenas o que o secretário de Estado do Ambiente designa como “pequenas bolsas” de contaminação no subsolo.

Jacinto Guilherme Pereira, presidente da Baía do Tejo, explicou que está a investir 500 mil euros na realização de estudos de avaliação aos terrenos já intervencionados para preparar os trabalhos complementares.

A nova avaliação, que segundo o governante, “não poderia ter sido feita antes dos trabalhos principais”, vai revelar os tipos e quantidade de contaminação ainda existente no subsolo e determinar a terceira fase da empreitada, que será objecto de candidaturas a fundos comunitários.

Até agora, a descontaminação de solos nestes territórios beneficiou de um investimento total de 31,3 milhões de euros, 13,3 milhões no actual Quadro Comunitário de Apoio e 18 milhões no anterior.

A rede de saneamento do parque empresarial do Barreiro, antiga Quimiparque, vai ser ligada à Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) que serve o Barreiro e a Moita. A obra de ligação, num investimento de 1,5 milhões de euros, vai completar a ligação de todos os parques empresariais geridos pela Baía do Tejo a estações de tratamento.

O secretário de Estado do Ambiente prometeu “melhorias significativas” no controlo da qualidade do ar em Paio Pires, Seixal, onde a população se queixa há anos da poluição provocada pela Siderurgia Nacional.

Questionado pelo PÚBLICO, Carlos Martins afirmou que o investimento recentemente feito na rede nacional de medição da qualidade do ar e na aquisição de unidades móveis para a Agência Portuguesa do Ambiente vai permitir monitorizar melhor a qualidade do ar que se respira nesta zona.    

“Agora vamos ter complemento à rede [fixa] e mais possibilidade de modelar matematicamente face às condições climáticas e vamos ter e alguma capacidade de melhor análise”, disse o governante, acrescentando que vai ser melhorada “a monitorização, que aliás é uma velha aspiração da Câmara do Seixal, com quem o ministério tem trabalhado com alguma proximidade para assegurar um maior controlo sobre o desempenho ambiental daquela instalação”.

Carlos Martins diz ainda que este ano serão concluídos trabalhos para redução do ruído da fábrica e apreciado, pela APA, o estudo que a empresa solicitou, a universidades inglesas, sobre a possibilidade de utilização das escórias na produção de pavimentos. “Se esse potencial não se vier a confirmar teremos que recomendar à Siderurgia que encontre outra solução”, disse o secretário de Estado do Ambiente, referindo-se ao destino das ‘montanhas’ em que a empresa tem armazenada esta matéria, a céu aberto, em Paio Pires.