Concurso para jovens médicos vai ser lançado "dentro de dias", diz ministro

Ministro da Saúde anunciou no Parlamento que os concursos para a contratação dos recém-especialistas de 2017 serão lançados conjuntamente em breve.

Foto
Rui Gaudencio

O ministro da Saúde prometeu nesta quarta-feira à tarde no Parlamento que será lançado “dentro de dias” o concurso para os médicos recém-especialistas que terminaram em 2017 o internato, sem especificar datas.

Em resposta a perguntas do CDS, PCP e Bloco de Esquerda, o ministro Adalberto Campos Fernandes explicou que o Governo decidiu juntar as duas fases da conclusão da especialidade (Abril e Outubro de 2017) e “lançar dentro de dias” o concurso para que estes médicos possam trabalhar como especialistas do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Mas, citado pela Lusa, o governante fez questão de frisar que estes médicos que acabaram a especialidade “estão a trabalhar e estão no sistema”, apesar de ainda não terem sido admitidos enquanto especialistas.

Nesta quarta-feira, a Ordem dos Médicos (OM) considerou uma “vergonha nacional” a não-abertura dos concursos para a contratação de cerca de 700 médicos de especialidades hospitalares e de saúde pública que acabaram a especialidade em Abril e Outubro do ano passado. Todos os anos têm sido abertos concursos para a contratação dos jovens especialistas, mas em 2017 isso não aconteceu, por não haver luz verde do Ministério das Finanças. Ao PÚBLICO, o gabinete do ministro das Finanças tinha adiantado de manhã que a solução para este problema ia ser apresentada no Parlamento, como aconteceu.

Esta semana, com a procura acrescida e a sobrelotação dos serviços de urgência, os sindicatos que representam os médicos voltaram a denunciar este problema e, nesta quarta-feira, a OM divulgou um comunicado intitulado "Saúde sem concursos médicos: uma vergonha nacional" em que tece duras críticas.

“Relembramos que dentro de dois meses irão concluir a especialidade mais umas centenas de jovens médicos, sem que os últimos dois concursos tenham sido abertos. Esta situação de anormalidade é da exclusiva responsabilidade dos ministros da Saúde e das Finanças”, sublinha a OM.

Jovens médidos vão para o "sector privado"

Lamentando esta situação “inédita”, o bastonário Miguel Guimarães avisa que, enquanto as Finanças vão “empatando”, alguns destes jovens “vão tomando outro rumo”, optando por “ir trabalhar para o sector privado ou pela emigração”. Segundo o bastonário, os concursos deveriam ter sido abertos um mês após a conclusão da especialidade, e, portanto, o de Abril já estará atrasado oito meses. Isto acontece “de novo por causa do Ministério das Finanças”, acusa Miguel Guimarães, que esta semana já tinha responsabilizado as Finanças pelo “atraso na abertura dos planos de contingência” para resposta à epidemia de gripe e frio.

Já na segunda-feira o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) tinha feito um apelo ao ministro da Saúde para que proceda à “imediata abertura dos concursos” para os médicos recém-especialistas que concluíram o internato médico em 2017.

Num ofício enviado ao ministro Adalberto Campos Fernandes, o SIM lembrava que o primeiro concurso deveria ter sido aberto em Maio ou Junho desse ano. “É incompreensível que numa altura de caos nos serviços de urgência estes médicos especialistas não estejam já colocados nos hospitais em que fazem mais falta, suprindo a carência de médicos que se verifica em inúmeros hospitais”, defendia o secretário-geral do SIM, Jorge Roque da Cunha.

Sugerir correcção