Rui Rio: “Não gostei do debate”, mas “também sei fazer truques”

O candidato à liderança do PSD, em entrevista ao PÚBLICO/Rádio Renascença, admitiu que pensou que Santana Lopes “não iria tão longe”

Foto
Primeiro debate aconteceu na RTP Miguel Manso

Um dia depois do duelo televisivo em que Pedro Santana Lopes jogou ao ataque e obrigou Rui Rio a ficar à defesa, o ex-autarca do Porto admite que “não gostou” do debate, que foi alvo de ataques com “mentiras e meias verdades” e que já o tinham “avisado” sobre a estratégia do antigo primeiro-ministro. Em entrevista ao PÚBLICO/Rádio Renascença, que será divulgada na próxima segunda-feira, Rui Rio reconhece que os debates têm “muito de fait-divers” e diz que também sabe fazer “truques”.

O primeiro debate televisivo, esta quinta-feira à noite na RTP, revelou muitos pontos de concordância entre os dois candidatos à liderança do PSD em áreas programáticas, mas também intensa uma troca de acusações sobre o passado. Quer o passado de Santana Lopes como primeiro-ministro – experiência que “correu mal, muito mal” – quer também o de Rui Rio como convidado de iniciativas ligadas à esquerda ou a sua actuação como antigo vice-presidente do PSD. Quando entraram em diálogo – num tratamento informal por ‘tu’ – o ex-autarca do Porto mostrou não conseguir responder assertivamente às farpas lançadas pelo adversário. “Eu não gostei do debate. E se eu tenho entrado na mesma táctica que entrou o meu adversário, qual seria a imagem que o PSD tinha dado ao país?”, questionou o candidato, considerando que houve uma “série de ataques pessoais, uns mentiras, outros meias verdades, outros verdades”. Sentiu que estava num duelo semelhante ao que aconteceu entre António Costa e António José Seguro na disputa interna do PS em Setembro de 2014. “Isso entristece-me porque eu fui para ali debater os problemas do país, do PSD”, lamentou.

Questionado sobre se o frente-a-frente confirmou as reticências que tinha sobre debates, Rio negou ter essas objecções, mas admitiu que “têm muito de fait-divers”. “Os debates, seja onde for, na América ou na Europa, têm truques. Eu também sei fazer esses truques”, afirmou, justificando a sua posição com a necessidade de “não abrir feridas” que não possam ser “saráveis”, depois das eleições directas do próximo sábado.

Depois do primeiro embate televisivo, o que ficou a pensar de Santana Lopes? “Já me tinham avisado, apesar de eu o conhecer bem, que ele poderia ir por um caminho deste género”, revelou, embora admita surpresa. “Pensei que não iria tão longe. Pensei que só jogasse com verdades e não com meias verdades”, disse, referindo-se à acusação de ter falado numa iniciativa da Associação 25 de Abril, em 2013. Essa acusação – considerou – “é grave do ponto de vista democrático”.

O ex-autarca do Porto teme pela imagem “degradante” que o PSD poderia dar, se entrasse “no mesmo jogo” do seu adversário. E deixa um aviso sobre a sua postura nos próximos debates televisivos: “Não colaboro”.