Presidente da República já foi operado a hérnia umbilical e correu bem

Marcelo fez uma cirurgia de urgência porque a hérnia "encarcerou", mas já está acordado e poderá ter alta nas próximas 48 horas. Toda a agenda do dia, dedicada à Justiça, foi desmarcada, assim como as deslocações à area ardida em Outubro, previstas para a passagem do ano.

Foto
LUSA/ANDRE KOSTERS

O Presidente da República foi operado esta quinta-feira, de urgência, a uma hérnia umbilical no hospital público Curry Cabral, e poderá ter alta nas próximas 48 horas. Marcelo Rebelo de Sousa foi intervencionado às 14 horas e duas horas depois já estava acordado, mas deverá manter-se no hospital para vigilância.

De acordo com o cirurgião que o operou, Eduardo Barroso - director do serviço do hospital e amigo de infância de Marcelo -, a cirurgia foi simples e constituiu num "pequeno corte do intestino", uma vez que a hérnia tinha encarcerado. Isso significa que "o intestino se meteu na hérnia e não ia para dentro", fazendo o tal estrangulamento que obrigou à intervenção de urgência.

Eduardo Barroso explicou que o diagnóstico da hérnia estava feito há algum tempo e que estava tudo preparado para que o Presidente tivesse sido operado em regime de ambulatório a 4 de Janeiro, mas devido a esse estrangulamento, verificado esta manhã pelo médico da Presidência, Daniel de Matos, a intervenção teve de ser antecipada. "Se temos tratado esta hérnia, não tínhamos chegado a esta situação", afirmou o cirurgião. "Assim, vai ter que ficar aqui conosco um ou dois dias".

Questionado sobre quando o Presidente poderá voltar à sua vida normal, Eduardo Barroso disse que Marcelo Rebelo de Sousa "é um doente igual aos outros" e que "se ele quiser poderá ir para casa" mais cedo, mas que seguramente no dia 1 de Janeiro estará "em condições físicas e clínicas" para fazer a tradicional mensagem de Ano Novo ao país. Daniel de Matos acrescentou apenas que "o Presidente poderá fazer uma vida normal a curto prazo, apenas com alguns cuidados, como não pegar em pesos, como normalmente faz."

Antes do almoço, o chefe de Estado desmarcou toda a agenda do dia, preenchida com audiências a agentes da Justiça. Foi também desmarcada toda a agenda até 1 de Janeiro, incluindo as deslocações a concelhos afectados pelos incêndios de Outubro no dia de Ano Novo.

De acordo com uma nota publicada no site da Presidência, o chefe de Estado "foi esta tarde internado no Hospital Curry Cabral para ser operado a uma hérnia umbilical". "Esta operação estava há muito prevista para o início de Janeiro, mas os médicos assistentes decidiram antecipá-la, por ter encarcerado", explica a mesma nota. Que explicita: "O chefe do Estado cancelou, por isso, toda a agenda de hoje, bem como as dos próximos dias, incluindo as deslocações previstas para 31 de Dezembro e 1 de Janeiro, à área da tragédia de Outubro".

A Associação Sindical de Juízes Portugueses (ASJP) foi, por isso, avisada o cancelamento da audiência apenas 20 minutos antes da hora marcada, 13 horas, e que seria a primeira da agenda presidencial do dia.

Marcelo Rebelo de Sousa tinha previsto para hoje receber a Associação de juízes, o Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, Sindicato dos Funcionários Judiciais e Sindicato dos Oficiais de Justiça, com o Pacto de Justiça em cima da mesa.