Pernil não seguiu para a Venezuela por falta de pagamento

País sul-americano tem em atraso 40 milhões de euros a empresas portuguesas.

Foto
RG Rui Gaudencio

A Raporal, uma das empresas que fornecem pernil de porco à Venezuela, esclareceu nesta quinta-feira que aquele país sul-americano tem em atraso o pagamento de 40 milhões de euros às empresas portuguesas que lhe fornecem este produto.

“A Agrovarius, empresa do Grupo da Iguarivarius, vendeu em 2016 para o Governo venezuelano, ao abrigo de um contrato, 14 mil toneladas de carne num valor de 63,5 milhões de euros. De forma a tornar possível o cumprimento do contrato a Agrovarius contratualizou com várias empresas, entre elas a Raporal, esse fornecimento”, explica a empresa.

Deste contrato de fornecimento, acrescenta, “ainda permanece pendente de pagamento cerca de 40 milhões de euros, dos quais 6,9 milhões de euros dizem respeito ao cumprimento do pagamento à Raporal”. "A Raporal tem recebido de forma parcelar valores a abater na conta corrente referente a este contrato, sendo que a última ocorreu em Agosto de 2017."

“Mais informamos que Raporal foi recebida esta manhã pelo embaixador da Venezuela em Lisboa e que este se comprometeu, em nome da Venezuela, a realizar o pagamento integral em falta referente ao fornecimento de 2016, até Março de 2018”, diz ainda o comunicado.

A Raporal salienta ainda que foi fornecedora em 2016 e “que não forneceu em momento algum o Governo venezuelano no ano em curso”.

A empresa diz ainda não ter “conhecimento de qualquer acto de sabotagem de Portugal em relação ao fornecimento de pernil de porco à Venezuela”, e confirma “que é a Venezuela que não tem cumprido pontualmente as suas obrigações de pagamento dos fornecimentos realizados em 2016”.

“Cabe assim, o esclarecimento dos factos à embaixada enquanto representante do Governo venezuelano em Portugal e à Agrovarius empresa do Grupo Iguarivarius”, conclui.

Este esclarecimento da empresa surge depois de o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ter acusado na quarta-feira Portugal de ter boicotado a chegada de pernil ao país.

Uma acusação a que o Governo português respondeu nesta quinta-feira, com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, a afirmar que "o Governo português não tem, seguramente, esse poder de sabotar pernil de porco".