Milhares protestam contra mudanças no sistema judicial

As instituições da Roménia e da Europa temem que as mudanças permitam ao governo vigente controlar o sistema judicial, numa nação que é conhecida por ser um dos países mais corruptos da União Europeia.

Fotogaleria
LUSA/ROBERT GHEMENT
Fotogaleria
LUSA/ROBERT GHEMENT
Fotogaleria
LUSA/ROBERT GHEMENT
Fotogaleria
LUSA/ROBERT GHEMENT
Fotogaleria
LUSA/ROBERT GHEMENT
Fotogaleria
LUSA/ROBERT GHEMENT
Fotogaleria
LUSA/ROBERT GHEMENT
Fotogaleria
LUSA/ROBERT GHEMENT

Milhares de cidadãos romenos protestaram neste domingo, fazendo face ao tempo frio, contra a tentativa do partido no poder, os sociais-democratas, de reformar o sistema judiciário da Roménia. A Comissão Europeia, o Departamento de Estado norte-americano e o próprio Presidente da Roménia, Klaus Iohannis, dizem que tal decisão poria em causa o Estado de Direito do país — mas o Governo nega que seja esse o caso.

Só em Bucareste, cerca de 4000 manifestantes marcharam desde a sede do Governo para o Parlamento, local em que os deputados começarão a debater as alterações ao código criminal nesta segunda-feira.

No início deste mês, os sociais-democratas utilizaram a sua maioria absoluta para aprovar a reforma judicial que ameaça deixar o sistema judicial sob controlo político. É esperado que o senado aprove o projecto-lei durante a próxima semana.

Do lado de fora do Parlamento, por entre chuva e granizo, os manifestantes entoavam cânticos como “Ninho dos ladrões” ou “Queremos justiça, não corrupção”. Milhares de manifestantes marcharam noutras cidades do país, como Iasi, Cluj-Napoca ou Timisoara.

Ao longo de 2017, foram várias as tentativas do partido vigente, os sociais-democratas, de mudar alguma da legislação anti-corrupção em vigor, naquele que é considerado um dos membros mais corruptos da União Europeia. Há em curso um processo anti-corrupção que fez com que, desde 2006, 72 deputados e senadores fossem presentes a tribunal, assim como vários ministros, um primeiro-ministro em funções e centenas de presidentes de câmaras e outros membros oficiais.