Celebrar a efeméride do Hard Club com uma viagem no tempo

Três dias de celebração da festa que assinala as duas décadas do Hard Club.

Foto
Concerto dos Orelha Negra no Hard Club em 2016 Marco Duarte

Uma viagem pelos últimos 20 anos da música portuguesa. É assim que Davide Lobão, programador do Hard Club há meio ano, descreve os três dias de celebração da festa que assinala as duas décadas desde que o clube abriu portas.

A festa arranca nesta sexta-feira, dia em que Manel Cruz e O Bom, o Mau e o Azevedo tocam no Mercado Ferreira Borges. Recordam-se no mesmo dia as Rubber Sessions, que nasceram ainda na primeira versão do clube, em Gaia, que reúnem músicos de várias bandas.

No sábado, tocam os Orelha Negra, Ermo e Conjunto Corona. A celebração termina no domingo com a exibição, ainda na parte da tarde, do documentário Enterrado na Loucura, de Hugo Conim e Miguel Newton, e com o concerto dos Patrulha do Purgatório, que reúnem alguns músicos da cena punk nacional. À noite, os Zen reúnem-se num formato especial para participarem na iniciativa Conta-me Histórias. Além de recordar o álbum lançado há quase 20 anos, The Privilege of Making the Wrong Choice, a banda alternará as músicas com momentos de conversa com o público.

A programação foi pensada de forma a serem assinalados vários períodos da existência do HC. “Tocam nos três dias músicos que de alguma forma estão ligados à história do espaço, sendo que o segundo dia é mais dedicado à actualidade”, diz o programador.

Até domingo decorre ainda o Urban Market, numa versão especial de aniversário, e serão inauguradas duas exposições de fotografia: uma retrospectiva do clube, da autoria de André Henriques, e uma mostra permanente de António Teixeira.