Nova denúncia contra a presidente da Raríssimas está em parte incerta

Viagem ao Brasil com marido e tratamento de spa de 400 euros questionados em carta que Instituto da Segurança Social diz não ter recebido

Foto
Jornal Publico

Está em parte incerta uma denúncia feita contra a presidente da associação Raríssimas, noticiou a TVI. Trata-se de uma carta enviada em Janeiro passado pela então secretária da direcção da Federação das Doenças Raras (Fedra), Piedade Líbano Monteiro, à unidade de desenvolvimento social do Instituto da Segurança Social e também ao Instituto Nacional para a Reabilitação, que depende do Ministério do Trabalho.

Piedade Líbano Monteiro punha em causa uma viagem ao Brasil por Paula Brito da Costa na qualidade de dirigente da Fedra, acompanhada do marido, em 2013, e um spa de luxo de que usufruiu no valor de quase 400 euros. E ainda o aluguer de um carro de luxo, um BMW 520.

"Defendemos a dignidade e a transparência acima de tudo, principalmente porque somos uma instituição de solidariedade social. De facto, permanecem por explicar despesas com viagens e estadia no estrangeiro da presidente da associação Rarissímas e para as quais não me sinto apta para dar parecer favorável", escreveu na missiva, que, porém, parece estar em parte incerta.

É que o presidente do Instituto da Segurança Social, Rui Fiolhais, disse ao canal de televisão não haver registo da entrada da referida denúncia nos serviços, tendo pedido à TVI que lhe reencaminhasse a carta em questão.