Defensores pedem a deputados que discutam legalização da cannabis sem preconceitos

Médicos e deputados defendem que existe evidência científica suficiente para que cannabis possa ser disponibilizada aos doentes. BE organizou ontem uma audição pública e espera ver o tema debatido no próximo ano no Parlamento.

Deputado do BE Moisés Ferreira espera que Parlamento debata uma proposta para legalização da cannabis para fins medicinais no próximo ano
Foto
Deputado do BE Moisés Ferreira espera que Parlamento debata uma proposta para legalização da cannabis para fins medicinais no próximo ano TIAGO PETINGA

A Assembleia da República recebeu ontem a primeira audição pública sobre a legalização da cannabis para fins medicinais. A iniciativa foi organizada pelo BE, que está a preparar um Projecto de Lei para que a planta e os seus derivados possam ser vendidos em farmácias, sejam comparticipados e os doentes possam fazer auto cultivo, tal como o PÚBLICO avançou na edição de sábado.

Entre os convidados estiveram dois médicos, unânimes na sua posição: não há motivos, perante a evidência científica, para que não possam prescrever cannabis aos doentes que precisam. A deputada socialista, Maria Antónia Almeida Santos, pediu ao Parlamento para ter “maturidade suficiente” para ouvir e decidir sobre o tema.

“Existe evidência científica mais do que suficiente para esta decisão e para que seja possível em 2018 termos uma discussão no Parlamento sobre o assunto e fazer com que Portugal aprove o uso medicinal da cannabis como noutros países”, disse o deputado do BE Moisés Ferreira, lembrando que PCP, JSD e PS mostraram anteriormente disponibilidade para discutir o tema.

Presente como convidada, a deputada do PS Maria Antónia Almeida Santos explicou estar ali a título individual, mas disse acreditar que o PS está pronto para debater o tema e dar o seu contributo. “Ainda não fizemos esta discussão no grupo parlamentar. Todo o percurso dentro do PS me leva a fazer crer que podemos acompanhar esta iniciativa do BE. Acho que chegou o momento para darmos mais este passo. Esperemos contar com o apoio de outros grupos parlamentares. Temos a vantagem de conhecer a experiência de outros países”, apontou.

A mesma disse ser favorável à medida, que na sua opinião “já devia ter acontecido”, e que é preciso não diabolizar a cannabis e falar abertamente sobre os efeitos secundários que pode ter sobre algumas pessoas. “Peço à Assembleia da República que tenha maturidade para suficiente para ouvir e poder decidir. Não tomaremos nenhuma decisão sem falar com cientistas e médicos e já existe evidência científica. Espero que exista essa coragem principalmente para dar bem-estar aos doentes”, disse.

Benefícios para crianças com doenças graves

Bruno Maia, médico neurologista e outro dos oradores, considera que ainda existem muitos mitos e preconceitos, mesmo entre os médicos, que têm de ser combatidos. “A cannabis tem efeitos secundários como qualquer outra substância que está à venda nas farmácias. Não há razão, a não ser preconceito em relação à cannabis, para esta não estar disponível. Temos medicamentos como o Fetanil, que é 100 vezes mais potente que a heroína, que é legal e usamos nos doentes quando é o melhor a aplicar”, disse, acrescentando que a cannabis deve ser usada no tratamento de crianças com doenças graves, como cancro.  

O médico deixou ainda um recado aos legisladores, apontando a “passividade das pessoas que têm capacidade de mudar as coisas” e que não o fazem “porque é confortável não encetar um debate contra mitos e preconceitos”. “O que peço é coragem para acabar com essa passividade”, pediu.

Para Javier Pedraza, médico espanhol que investiga aplicações terapêuticas da cannabis, a não legalização abre a porta ao mercado negro de doentes que poderiam beneficiar desta substância e que assim se colocam risco. Lembrando que esta não é inócua, afirma que “não há substância no mundo mais segura que a cannabis no mundo”. “Não há nenhum caso documentado de morte por sobredosagem de cannabis”, salientou.

Também o médico espanhol destacou os benefícios que pode trazer no tratamento de crianças com doenças graves. “Se temos uma criança com 80 convulsões por dia e uma pequena dose de cannabis as reduz para oito, não é assim tão importante o efeito que o THC [substância psicoactiva] pode ter porque uma só convulsão diária faz muitos danos. Se a criança se liga de volta ao mundo, começa a dizer pai e mãe, não dar a oportunidade a estes pais de administrar cannabis é um crime, é um atentado à saúde pública”, defendeu.