Mais de uma dezena de quedas de árvore e estruturas em Lisboa no início da manhã

Queda de árvores provocou danos em vários veículos. Circulação na Avenida Elias Garcia será reposta até ao final da tarde, diz a junta das Avenidas Novas.

Fotogaleria
A destruição provocada pela queda de árvores na Avenida Elias Garcia, em Lisboa Ricardo Lopes
Fotogaleria
Várias viaturas foram atingidas Ricardo Lopes
Fotogaleria
Não há registo de vítimas Ricardo Lopes
Fotogaleria
Lisboa foi um dos distritos mais atingidos Ricardo Lopes

O Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa registou, entre as 7h e as 10h15 desta segunda-feira, mais de uma dezena de quedas de árvores e de estruturas, disse à Lusa fonte da corporação.

“Até ao momento [10h15] temos mais de uma dezena de ocorrências relacionadas com quedas de árvores e estruturas, bem como algumas inundações”, explicou uma fonte dos Sapadores Bombeiros, que opera na cidade de Lisboa.

De acordo com a mesma fonte, a ocorrência que “está a dar mais trabalho” é a da Avenida Elias Garcia, onde a queda de uma árvore durante a noite está a condicionar o trânsito. “Não foram registados acidentes graves nem feridos na sequência das ocorrências”, acrescentou.

À Lusa a presidente da Junta de Freguesia das Avenidas Novas, Ana Gaspar, explicou que vários ramos de árvores nessa avenida caíram, e na confluência com a Avenida 5 de Outubro, atingindo cerca de 20 carros que se encontravam estacionados na rua. Os trabalhos de remoção dos ramos deverão estar concluídos até ao final da tarde desta segunda-feira, podendo, assim, ser reposta a circulação.

“Até ao final tarde está transitável a rua”, estimou a presidente, referindo que “uma parte da [Avenida] Elias Garcia já está liberta”. No entanto, não é possível, para já, “ter uma previsão mais assertiva do que esta”, dado que “ainda há muitos troncos” pendurados e no chão, afirmou.

Os trabalhos de remoção dos ramos caídos “estão a decorrer com ajuda da câmara municipal” e de “20 homens e duas máquinas” da junta de freguesia, adiantou Ana Gaspar, sublinhando que os estragos “vão ser cobertos pela Câmara Municipal de Lisboa”. 

A par dos automóveis, “houve também um quiosque afectado”, afirmou a autarca, acrescentando que, “até agora”, a junta não tem conhecimento de outras infra-estruturas que tenham sido arrancadas ou danificadas devido à chuva e ao vento forte que se fez sentir durante a madrugada.

Ana Gaspar observou ainda que, apesar de esta ser “uma zona muito arborizada da cidade” – o que “tem custos”–, “as árvores têm sido podadas atempadamente”. Para evitar a queda de outros ramos, as árvores terão agora de ser podadas para “não haver mais nenhum risco”, notou.

Fonte dos Sapadores Bombeiros tinha já informado que, entre a meia-noite e as 7h, o regimento registou mais de uma centena de ocorrências, na maioria quedas de árvores e de estruturas. Em declarações à Lusa esta segunda-feira, ao início da manhã, uma fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Lisboa tinha dado conta de mais de 300 ocorrências entre a meia-noite e as 6h30, a maioria também quedas de árvores e estruturas.

“Registámos depois da meia-noite mais de 300 ocorrências que contaram com 1200 operacionais, com o auxílio de 338 veículos. Entre estes operacionais estiveram envolvidos, bombeiros, PSP, GNR, veículos de reboque e assistência e Infra-estruturas de Portugal”, adiantou a mesma fonte.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) tinha previsto que a partir das 3h a tempestade Ana começasse a perder intensidade e a dissipar-se. De acordo com o instituto, para esta segunda-feira está prevista uma descida das temperaturas, aguaceiros, diminuindo de frequência e intensidade, possibilidade de trovoada e granizo e queda de neve acima de 800 metros.

Mais de 9300 operacionais da Protecção Civil, incluindo bombeiros, elementos do Instituto Nacional de Emergência Médica de Portugal (INEM) e Guarda Nacional Republicana (GNR), estão destacados desde o início de domingo por causa da passagem pelo continente da tempestade Ana.

A queda de uma árvore provocou uma vítima mortal, uma mulher de 45 anos, em Marco de Canavezes, no domingo.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações