PS discute se aceita ou rejeita 200 militantes de etnia cigana

Direcção do partido só vai tomar uma posição depois das distritais de Aveiro e Coimbra se pronunciarem.

Decisão será tomada na sede nacional, depois de ouvidas as distritais de Aveiro e Coimbra
Foto
Decisão será tomada na sede nacional, depois de ouvidas as distritais de Aveiro e Coimbra Enric Vives-Rubio

Não é todos os dias que mais de duas centenas de pessoas de etnia cigana decidem inscrever-se no PS. Mas foi isso mesmo que aconteceu em finais de Outubro, quando elementos ligados à Associação Social, Recreativa e Cultural Cigana de Águeda (ASRCCA), no distrito de Aveiro, reuniram toda a documentação necessária para serem aceites como militantes no PS de António Costa. Mas ainda não conseguiram, porque na sede nacional foram apontadas falhas ao processo, relacionadas com a secção do partido escolhida pelos candidatos a militantes.

A apoiar a filiação está um pequeno grupo de militantes que tem mantido contactos com a ASRCCA. A primeira abordagem passou por sensibilizar a associação a fazer formação no âmbito do programa Portugal 2020 para os seus elementos, uma vez que muitos deles têm baixos níveis de escolaridade. E em pouco tempo, as salas onde se treinava boxe, por exemplo, foram transformadas em espaços de estudo e aprendizagem.

O passo seguinte foi sensibilizá-los para a ideia de se inscreverem num partido. A dirigente nacional do PS Cristina Martins — que em 2012 denunciou o caso da falsificação dos cadernos eleitorais em Coimbra, que levou à condenação de 21 militantes afectos ao líder da distrital, Pedro Coimbra — tem sido uma das interlocutoras no processo e desafiou o presidente da ARSCCA a filiar-se no partido, no qual, acredita, “a comunidade cigana acabará por ter voz”.

“Questionei as pessoas no sentido de perceber se eram receptivas à ideia de ingressarem num partido político e elas mostraram-se receptivas”, conta a professora de Matemática. “Os partidos não são empresas privadas, têm de ter espaço para as minorias e a comunidade cigana faz parte dessas minorias”, defende a docente que foi eleita no último congresso do PS para a Comissão Nacional, na lista alternativa de Daniel Adrião.

As mais de 200 fichas de pessoas ligadas à ASRCCA foram entregues em mão na sede do PS, no Largo do Rato. O processo foi acompanhado pelo coordenador da secção temática de Defesa, Segurança e Soberania do PS, Jorge Napoleão, que entende que “qualquer pessoa que queira ser militante do PS pode inscrever-se em qualquer secção, seja de residência, seja sectorial, como é o caso da secção temática Defesa, Segurança e Soberania”. Este socialista estranha que a direcção nacional esteja a levantar reservas a estas inscrições. “Os partidos têm de ser inclusivos”, diz.

Outra fonte socialista reforça esta tese, precisando que a “única altura em que as pessoas têm de escolher [em que secção querem ficar: se na de residência, se na temática] é na fase de elaboração dos cadernos eleitorais para que os seus nomes não constem de dois cadernos. “Nunca vi o partido levantar nenhum impedimento pelo facto de as pessoas entrarem no PS através de secções temáticas, independentemente do seu local de residência”, observa a mesma fonte, deixando nas entrelinhas o receio de que o PS “tudo fará” para impedir que este grupo eleja delegados ao próximo congresso, em meados de 2018.

O responsável pelo gabinete de organização e dados do PS, João Pires, faz outra leitura da situação. Declara ao PÚBLICO que os estatutos não permitem que os candidatos se filiem através das secções temáticas, porque não têm autonomia para o fazer. Por essa razão, revela, os processos foram todos remetidos para as estruturas locais de Aveiro e de Coimbra (de onde são oriundos os proponentes), que farão uma primeira análise da situação. Feita essa avaliação, os processos regressam à sede nacional para decisão final.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações