“Graffiti pintados, graffiti apagados” – assim será nas estações do país

Remover de imediato os graffiti é a solução da Infraestruturas de Portugal para manter limpas as estações ferroviárias. Projecto-piloto começou em Santa Apolónia e na Linha de Cascais.

Fotogaleria
Estação depois da intervenção Ricardo Lopes
Fotogaleria
Estação de Algés antes da intervenção
Fotogaleria
Estação de Algés antes da intervenção
Fotogaleria
Estação depois da intervenção Ricardo Lopes
Fotogaleria
Estação depois da intervenção Ricardo Lopes
Fotogaleria
Estação depois da intervenção Ricardo Lopes
Fotogaleria
Estação depois da intervenção Ricardo Lopes

Actuar de imediato. Não deixar que os graffiti se propaguem e limpá-los rapidamente. É esta a receita que os responsáveis pela manutenção de estações da Infra-estruturas de Portugal adoptaram para combater a degradação do seu vasto património ferroviário e que, para já, tem dado resultados nos locais onde o projecto foi implementado: os muros da Estação de Santa Apolónia, em Lisboa, e algumas estações da Linha de Cascais.

“Já tínhamos a experiência da vandalização de estações. Sabíamos que bastava um vidro partido para que rapidamente uma estação não guarnecida começasse a ser invadida e destruída”, disse ao PÚBLICO António Viana, da Direcção de Gestão da Rede Ferroviária, da Infra-estruturas de Portugal. “Percebemos que tínhamos de actuar de imediato para evitar a degradação de todo o edifício e aplicamos a mesma lógica aos graffiti”.

Em 2015, a empresa descobriu que a Câmara de Lisboa pensava da mesma maneira quando foi contactada pelo município para se associar a um projecto que pretendia limpar a cidade de graffiti através de uma brigada de intervenção rápida.

“O objectivo de quem faz graffiti é que estes se vejam, mas se souberem que naquela zona são logo eliminados, acabarão por não perder tempo a fazê-los”, diz António Viana.

A Infra-estruturas de Portugal e a câmara começaram pela Estação de Santa Apolónia, cujos muros exteriores estavam sempre grafitados e pelas estações do Cais do Sodré, Santos, Belém e Alcântara.

“Resultou face ao que estava. Antes tínhamos ciclos de manutenção dos edifícios e quando lá chegávamos era preciso pintar tudo. Agora quaisquer dois metros pintados são logo limpos para não termos, mais tarde, de limpar toda uma fachada, mas é um trabalho que requer muita determinação e empenho e que obriga a voltar uma, duas ou mais vezes ao mesmo local”.

E esta abordagem sai cara? “Temos que ver o custo económico. Há muitas reclamações de pessoas que se queixam dos graffiti nas estações porque as tornam inóspitas e transmitem insegurança. Qual o custo disso para a imagem da Infra-estruturas de Portugal, para a imagem do sistema ferroviário e até para o país em geral?”, pergunta António Viana.

A própria empresa já engloba nos seus contratos de outsourcing cláusulas para a remoção de graffiti. Por exemplo, a manutenção dos 255 elevadores, 171 escadas rolantes e 12 tapetes rolantes que existem nas estações ferroviárias do Minho ao Algarve foi atribuída num só contrato a uma única empresa, a Schmit, com a obrigação desta cuidar também da remoção das pinturas.

Mas há outras abordagens mais criativas que envolvem os próprios writers dentro de uma lógica do “se não puderes vencê-los junta-te a eles”. Na passagem inferior de Algés a Infra-estruturas de Portugal, a CP e a Câmara de Oeiras puseram-se de acordo para que a requalificação daquele espaço – habitualmente grafitado e vandalizado – fosse alvo de um pintura concebida por artistas. Jorge Cordeiro, Pedro Esteves, “Nomen”, “dupla Brunogiao e Lucianosilvantes” acabaram por deixar a sua marca numa obra que tem vindo a ser respeitada.

Na estação de Entrecampos havia um mural da autoria de Ângela Menezes que representava pessoas anónimas que ali passavam, mas que foi desfigurado pelos graffiters. Agora a própria artista propôs-se reconstruir o mural aproveitando parte da sua obra e das próprias pinturas que ali foram feitas.

António Viana diz que o ideal é que não houvesse graffiti, os quais define como “uma vandalização de uma infra-estrutura pública”. Todos os dias a antiga Refer gasta recursos humanos e recursos financeiros com este flagelo. A Grande Lisboa, o Grande Porto e o Algarve são as zonas mais problemáticas. Mas, curiosamente, nas linhas de Lisboa, a de Cascais é pior do que a de Sintra, porque esta última tem vigilantes permanentes nas estações, videovigilância e bilheteiras abertas durante mais tempo, o que dissuade os writers.

Só para manter as estações limpas de graffiti, a Infra-estruturas de Portugal gasta 150 mil euros por ano. Segundo o Diário de Notícias de 17/9/2016, a Câmara de Lisboa gasta um milhão de euros por ano na limpeza de graffiti. A CP, por sua vez, espera gastar até ao fim do ano 300 mil euros. Para remover dos seus comboios as marcas do vandalismo. Este valor tem vindo a subir: em 2014 eram 230 mil euros, em 2015 passou para 290 mil euros e no ano passado já chegava aos 300 mil euros.

A Linha de Cascais é também a mais afectada pelos ataques dos writers, mas o fenómeno ocorre de norte a sul do país, destacando-se, porém, as composições de via estreita da Linha do Vouga (Aveiro a Sernada do Vouga e Espinho a Oliveira de Azeméis) que estão permanentemente conspurcadas.

Mas nem o próprio Alfa Pendular escapa. Uma das duas composições deste comboio que foram alvo de uma revisão já foi grafitada. O próprio comboio histórico do Douro também já foi pintado, mas, numa iniciativa inédita, alguns jornais que deram a notícia renunciaram a publicar as fotos para não dar publicidade aos seus autores.

A empresa diz que não consegue colocar vigilantes em todas as estações-términus e parques de material, sendo que, muitas vezes, tal também não impede que os comboios ali estacionados sejam vandalizados porque os writers têm comportamentos agressivos contra quem guarda as composições.

Já a Fertagus, concessionária que explora o eixo Lisboa-Setúbal, consegue a proeza de ter os seus comboios sempre limpos, mas a tem a vida facilitada porque opera num troço curto e recolhe à noite todos os seus comboios à “garagem”, neste caso, ao parque de material em Coina. Além da presença de vigilantes a bordo e em algumas estações, a empresa cumpre também uma regra básica: nenhum comboio sai para o serviço se o seu exterior não estiver totalmente limpo.