Capa do Região de Leiria sobre os incêndios vence prémio ibero-americano

A Society for News Design atribuiu cinco prémios ÑH2017 ao jornal regional português, incluindo o de melhor jornal local. O PÚBLICO foi distinguido com quatro medalhas de bronze.

A primeira página premiada do jornal <i>Região de Leiria</i>
Foto
A primeira página premiada do jornal Região de Leiria DR

A melhor capa produzida no último ano pela imprensa de Portugal, Espanha e da América Latina foi a que o Região de Leiria levou para as bancas no dia 22 de Junho de 2017, segundo a avaliação da Society for News Design. No total, o semanário português recebeu cinco prémios ÑH2017, incluindo melhor jornal local e as medalhas de prata e bronze nas categorias de fotografia e cobertura informativa, respectivamente. O PÚBLICO também foi distinguido com quatro galardões de bronze nos prémios ÑH2017.

O director do Região de Leiria, Franscico Rebelo dos Santos, diz que na redacção "estavam todos muito entusiasmados e felizes [com os prémios] e que, apesar de serem um jornal pequeno, têm uma grande equipa". “Há mais de dez anos que frequentamos os ÑH, já recebemos outros prémios, mas nunca com esta dimensão". Em declarações ao PÚBLICO, Rebelo dos Santos acrescenta ainda que “estavam longe de imaginar que tivessem uma chuva de prémios”.

A fotografia de Joaquim Dâmaso, que faz a primeira página premiada, também foi distinguida. A imagem mostra uma mulher de 84 anos, Maria do Rosário, que tentou apagar os fogos com um regador na aldeia de Figueiró dos Vinhos. "Achámos que tínhamos de voltar e foi o que fizemos. A primeira coisa que fizemos foi ir à tal terrinha. Quando chegámos lá, foi uma coisa rápida. Olhei e vejo uma senhora no meio de um relevo, com um regador. Travei a fundo, puxei travão de mão. Foi repentino. Disse ao meu colega: 'está aqui a imagem'. E fomos falar com a senhora", comentou o fotógrafo numa entrevista à TSF.

Todos os trabalhos do jornal local que foram galardoados pela Society for News Design estão relacionados com os incêndios que ocorreram em Pedrógão Grande e na região centro. Foi uma tragédia que o jornal de Leiria acompanhou com grande destaque e que obrigou a um grande esforço por parte da equipa do diário. “Foi um trabalho que nos obrigou a dar o nosso máximo”, disse Francisco Rebelo dos Santos.

Região de Leiria é o jornal mais antigo da cidade, existe há 82 anos e cobre essencialmente a cidade de Leiria e o concelho de Ourém. Apesar de serem os líderes de audiência na região, o jornal tem "a ambição de estar entre as grandes publicações", comentou o director do jornal.

PÚBLICO -
Foto

Mas os prémios ÑH2017 chegaram também ao PÚBLICO. O jornal que em 2015 foi considerado o mais bem desenhado da Península Íberica, recebeu este ano dois prémios de bronze referentes à primeira página “Porquê?”, na sequência dos acontecimentos de Pedrógão Grande e à capa da edição que se seguiu à morte de Helmut Kohl. Além disso, na categoria de infografias e reportagens, foi atribuído ao jornal um prémio de bronze ao trabalho “Como foram as horas do inferno”. O portfólio de planos de infografia do P2 também não escapou aos jurados — medalha de bronze.

Nos prémios ÑH2017, os mais prestigiados de design jornalístico na Península Ibérica e na América Latina, foram apresentados 2500 trabalhos, dos quais 18 receberam prémios de ouro, 52 de prata e 138 de bronze. Para além do Região de Leiria e do PÚBLICO, outros jornais portugueses foram galardoados, nomeadamente o Jornal de Notícias, o Expresso e O Jogo.

Texto editado por Hugo Torres