O que aconteceu no pior dia de incêndios do ano

Um resumo do que sabemos sobre o trágico domingo em Portugal.

Incêndio na Lousã
Foto
Incêndio na Lousã LUSA/PAULO NOVAIS
  • A Protecção Civil confirma 31 mortos neste domingo na sequência de incêndios (16 no distrito de Viseu, 12 no de Coimbra, dois no da Guarda e um no de Castelo Branco). 
  • Segundo a Protecção Civil, também se registaram dezenas de feridos. O Centro Hospitalar Tondela-Viseu recebeu 25 queimados nas últimas horas, tendo os 14 mais graves sido transferidos para as unidades do S. João, Prelada, Coimbra, Lisboa Norte e Lisboa Centro, disse o secretário de Estado Adjunto e da Saúde.
  • Há uma pessoa desaparecida em Nelas, distrito de Viseu;
  • Há relatos de mais de uma dezena de casas ardidas em várias povoações em Tondela. Terão ardido igualmente casas em Cantanhede e Oliveira do Hospital;
  • Mortágua, Santa Comba e Penacova são as regiões mais afectadas por falhas de energia;
  • Só neste domingo registaram-se 523 incêndios. Foi o “pior dia do ano em matéria de incêndios”, disse a porta-voz da Protecção Civil.
  • Portugal accionou neste domingo, devido aos incêndios florestais, o Mecanismo Europeu de Protecção Civil e o protocolo com Marrocos, relativos à utilização de meios aéreos;
  • O Governo declarou calamidade pública nos distritos a norte do Tejo, para "criar melhores condições da mobilização de meios e, em particular, para assegurar aos bombeiros voluntários os seus direitos a participarem nesta missão, assegurando a justificação das faltas nos locais de trabalho e dois dias de descanso por cada um em que estiverem a participar no combate aos incêndios", explicou o primeiro-ministro;
  • António Costa admite que situações dramáticas como esta se vão repetir;
  • Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que domingo "foi um dia trágico" e vai ser necessária uma análise ao que se passou;
  • A Segurança Social está a disponibilizar apoio de emergência às populações afectadas pelos incêndios em vários postos dos distritos de Viana do Castelo, Guarda e Coimbra, anunciou o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social;
  • O IP3 (entre Santa Comba Dão e Coimbra) é uma das várias estradas cortadas no país. A A17, A24 e A25 são outras estradas com troços cortados por causa dos incêndios, segundo o site da Infra-estruturas de Portugal.
  • O país está em alerta vermelho até às 20h desta segunda-feira;
  • A Protecção Civil activou uma linha de informação às populações afectadas pelos incêndios: 800 246 246;
  • A Portugal Telecom tem no terreno 600 técnicos e 17 unidades móveis a trabalhar para restabelecer as comunicações afectadas devido aos incêndios que lavram no país, informou fonte da empresa.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações