Torne-se perito

Freguesia de Benfica distribuiu tablets. Pais agradeceram mas pediram também papel higiénico

Encarregados de educação da EB1 Jorge Barradas denunciaram a falta de materiais higiénicos e produtos de limpeza.

Inês Drummond visitou a EB1 Jorge Barradas na segunda-feira.
Foto
Inês Drummond visitou a EB1 Jorge Barradas na segunda-feira DR

No âmbito do programa “Benfica Digital”, o executivo da junta de Freguesia, que se recandidata, tem ido os jardins-de-infância e escolas do 1.º ciclo para verem em funcionamento os quadros interactivos e os 350 tablets que distribuíram pelas crianças. Mas na segunda-feira, após a visita dos elementos da junta à escola EB1 Jorges Barradas, levantou-se um coro de protestos na página da freguesia no Facebook, com os pais a denunciar a falta de materiais de higiene, médicos e produtos de limpeza.

A junta respondeu aos fregueses dizendo que “assegura a transferência de verbas anuais para despesas referentes à gestão escolar para cada um dos Agrupamento de Escolas de Benfica, de acordo com o estipulado pela CML. O investimento nos tablets não constrange de modo nenhum as transferências para gestão escolar, efectuadas três vezes por ano, que se encontram em dia”.

“Fico muito contente com esta visita à escola Jorge Barradas! Agradecemos muito os tablets, e quadros interactivos! Mas, já agora: levaram os detergentes e papel higiénico que fazia falta? (é que se foram ao wc, o papel que usaram foi comprado esta semana pelos pais e pela Associação Pais EB1 Jorge Barradas, que também comprou lápis, e outro tipo de material básico em falta). A escola estava limpinha? Provavelmente sim... falta uma tarefeira, mas as operacionais educativas tentam esmerar-se e fazem horas extra para limpar a escola (...). Mais uma vez: obrigada pelos tablets e visita!”, escrevia uma mãe, no que foi secundada por vários outros comentários do mesmo teor.

Ricardo Marques, vogal de Educação e Formação da Junta de Freguesia, confirmou ao PÚBLICO que a junta assegura a transferência de verbas, sendo a gestão feita pelo Agrupamento mas há um hiato de tempo entre este processo e o momento em que as verbas estão disponíveis para serem utilizadas pelo agrupamento. O vogal refere que a Junta foi informada que existiam alguns constrangimentos na escola em questão mas que a situação está “em vias de ser regularizada”. Acrescenta ainda que este é um caso único e que não existem indicações de casos semelhantes nas restantes escolas de Benfica.

A Associação de Pais da EB1 Jorge Barradas garante também que a situação já está a ser regularizada. Quanto à questão da falta de uma tarefeira, também apontada pelos pais, a associação justifica a situação com a redução do horário de trabalho na função pública para as 35 horas.

Nesta quinta-feira, Ricardo Marques marcou presença na EB1 Professor José Salvado Sampaio para assistir às aulas nas quais os materiais informáticos estavam a ser testados. Nas salas de aulas da Escola Professor José Salvado Sampaio, as crianças experimentaram os quadros interactivos através de exercícios de matemática e os mais pequenos a sua criatividade no jogo de colorir do tablet oferecido pela Junta de Benfica.

Ricardo Marques adianta que com os tablets conseguem “dotar as escolas de mais equipamentos digitais que apoiem os professores e os educadores nos horários curriculares”.   
Cristina Sério, directora do agrupamento de escolas de Quinta de Marrocos, acredita que esta iniciativa irá ajudar no processo de aprendizagem das crianças. Destaca a importância do projecto na Escola Parque Silva Porto. “Temos meninos surdos e o facto de poderem lá ter instalado dois quadros interactivos é muito importante e a Junta conseguiu proporcionar-nos estes equipamentos que vão de certeza melhorar muito as aprendizagen” comentou a directora do agrupamento ao PÚBLICO. Também a coordenadora da EB1 Professor José Salvado Sampaio refere que a implementação das novas tecnologias na escola “foi um passo muito importante”.  

O programa “Benfica Digital” foi criado há quatro anos, inicialmente como “Inforkids”. Os tablets foram disponibilizados em Junho às escolas de Benfica. Os softwares disponíveis no dispositivo foram escolhidos em conjunto com os professores.

Texto editado por Ana Fernandes