Técnicos de diagnóstico e terapêutica também ameaçam com greve nos próximos dias

Sindicato fala de "uma atitude discriminatória absolutamente deplorável" face a outros profissionais, como os enfermeiros.

Protesto de técnicos de diagnóstico em Novembro do ano passado
Foto
Protesto de técnicos de diagnóstico em Novembro do ano passado Fábio Augusto

Depois dos médicos e dos enfermeiros, com greves pré-anunciadas, a contestação prossegue no sector da saúde. O Sindicato dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica (STSS) diz que pode avançar para uma nova greve nos próximos dias. Num comunicado que tem como título “filhos e enteados no sector da saúde”, o sindicato diz que “perante a evolução das negociações do Governo com os médicos e os enfermeiros, o sindicato já fez saber ao Ministério da Saúde que pode voltar à greve nos próximos dias”.

“Perante os recentes protestos de outros grupos profissionais, nomeadamente dos enfermeiros, o Governo apressou-se a apresentar propostas quantificadas financeiramente e no tempo, afirmando uma atitude discriminatória absolutamente deplorável”, afirma o presidente do sindicato, Almerindo Rego, em comunicado.

Após uma greve "que terminou com a publicação das novas carreiras dos técnicos superiores das áreas de diagnóstico e terapêutica, o STSS faz um balanço profundamente negativo de todo o processo negocial” e diz que como primeiro ponto de discórdia está o facto de o Ministério das Finanças, “violando o acordo firmado com o STSS, em reunião de Conselho de Ministros ter imposto uma redução de 50% dos lugares do topo da carreira, impedindo a natural expectativa de progressão profissional”. Mais: “Continua a impedir o prosseguimento das negociações das tabelas salariais e transições para a nova carreira, verificando-se um atraso de meses.”

O sindicato dá exemplos do que considera ser “falta de equidade” nas carreiras dos profissionais de saúde. “Para um enfermeiro especialista, nomeadamente em reabilitação, o Governo veio anunciar, para já, um acréscimo de 150 euros, admitindo em 2018 que esses valores sejam ultrapassados, quando os enfermeiros especialistas de reabilitação detêm uma ínfima parte das competências e conhecimentos de um fisioterapeuta.”