Crónica

A figurinha adorada

E seria possível que o olhinho direito do Mister Cartãozinho vertesse uma lágrima? Se pudesse depois esfregá-lo um pouco, seria ideal.

Qual é a figura mais detestável da década? Quem é que gostaria que morresse imediatamente? É o homenzinho do Multibanco. Quando não há dinheiro, levanta os bracinhos e faz uma carinha chorosa. É um gesto de solidariedade que não tem nada de falso e não irrita nada.

Na hora da nossa aflição é bom saber que o homenzinho não só não tem culpa que não haja dinheiro na máquina, como fica para morrer por não nos poder ajudar.

Quem encomendou esta magnífica animação está de parabéns. Os anos passam e o cabeça-de-quadrado continua a ter o mesmo piadão que tinha quando apareceu. Quantas vezes não voltou a meter o cartão só para se deliciar mais uma vez com os movimentos do bicho? Nunca?

Até 2013 a hedionda criatura tinha uma enorme língua vermelha e tudo. Os olhos eram assustadoramente arregalados e o corpo era horizontal. Os adultos tinham de levantar dinheiro de costas para não dar pesadelos às crianças.

Como não sabe o que há-de fazer ao dinheiro a Multibanco gastou uma nota preta na actualização do tão amado bonequinho. Para grande surpresa de todos os utentes chateados por não poder levantar dinheiro o novo cicerone é ainda mais charmant que o anterior.

Para acompanhar a desilusão, quiçá ajudando-a a sossegar, só falta um trecho de música triste. Talvez o adágio para cordas de Samuel Barber? Ou um fado, daqueles bons, feitos em computador. E seria possível que o olhinho direito do Mister Cartãozinho vertesse uma lágrima? Se pudesse depois esfregá-lo um pouco, seria ideal.