Entrevista

“A presença de negros na academia é nula”

Professora universitária, Inocência Mata defende quotas para assegurar a representatividade racial em várias áreas. “Não é verdade que a classe social elimine o racismo. Vou a lugares onde sou a única negra e sou discriminada.”

Fotogaleria
res rita chantre
Fotogaleria
Inocência Mata é professora desde 1990 DR

Inocência Mata é a única professora negra na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde lecciona desde 1990, no departamento de Literaturas Românicas. Está há três anos a dar aulas temporariamente em Macau. Isso não impede que quando chegue ao aeroporto de Lisboa seja chamada para ser revistada ou conduzida à fila dos passaportes não-europeus. Ainda há pouco tempo, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, andava à procura de uma secção, e a pessoa começou a descrever-lhe as direcções. “Quando vir uma placa a dizer consultas externas, vira — sabe ler?”

É a única professora negra na Faculdade de Letras. Por que acha que esta ausência de representatividade acontece em Portugal?
Entre os académicos, conheço pessoas que respeito que falam da desigualdade de género, mas não lhes passa pela cabeça que igualmente tão grave é a desigualdade étnico-racial. A presença de negros na academia é nula. Isto é um grande problema, mais grave porque acontece na academia.
 
Mesmo que existam pessoas com um óptimo trabalho sobre questões de racismo na sociedade portuguesa, por exemplo, não vêem a falta de representatividade étnico-racial como um problema de justiça social como no caso da desigualdade de géneros. Por muito que estejam atentas, não são vítimas de racismo, e é isso que se tem de perceber quando se pede que a sociedade reflicta a vários níveis a sua diversidade. Houve uma colega, querendo dizer que não era racista, que um dia me disse: “Não me lembro da cor das pessoas.” Eu respondi: “Sorte a tua, porque eu não consigo esquecer-me da minha cor. Mesmo que me esqueça, o quotidiano lembra-me.” O racismo é sobretudo uma questão de cor da pele (embora o racismo cultural seja também um problema a considerar).
 
Ainda não houve a tomada de consciência dessa necessidade?
No Brasil, os académicos assumiram como questão sua essas desigualdades e forçaram a agenda política. É o que tem de acontecer em Portugal. Não estou à espera de que a Dona Maria comece a pensar assim. Eventualmente nunca pensará. Enquanto a academia não assumir isso como um problema, essa mudança nunca vai acontecer.
 
Não me falem de meritocracia, das maiores armadilhas na luta contra a desigualdade: é pôr o filho do médico que mora em Cascais e anda nas melhores escolas a fazer o mesmo teste que o jovem que mora no Bairro 6 de Maio (Amadora), esperando que tenham a mesma performance. É preciso dar ao jovem do 6 de Maio as mesmas oportunidades. A meritocracia é um dos mais perversos mitos que fazem perpetuar a exclusão de grupos.

Defende então quotas?
Defendo um tipo de discriminação positiva em várias áreas. Tem de haver uma política de representatividade, através da diversidade, porque está mais do que provado que é um aspecto importante para a democratização e a harmonia social.

As quotas têm de ser vistas apenas como uma estratégia que visa a promoção social de grupos mais excluídos, não uma medida que vai perdurar. A preocupação da representatividade deveria estar presente nas instituições públicas. Quantos professores universitários negros existem nas universidades? Não é estranho num país que se orgulha da sua “experiência” africana? Quantos deputados? Quantos directores de serviços públicos? Quantos ministros não-brancos teve este país? Não me venham falar da Francisca van Dunem. E antes também que venham com o exemplo de António Costa, digo que me parece significativo que tenha sido precisamente no seu Governo a haver uma ministra negra no elenco governativo.

Ser negra interferiu na progressão da sua carreira?
Durante algum tempo houve quem tudo fizesse para me fazer crer que eu não deveria estar onde estava, como professora na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Ora, entrei mediante um concurso público, faço questão de o dizer.

Num concurso interno, uma professora chega-se ao pé de mim para me dizer que tinha gostado muito do meu relatório, que estava excelente, e acrescentou: “Não estava à espera.” Fiquei varada. Não estava à espera por eu ser negra? Na faculdade vivi episódios muito tristes. Uma vez ia a entrar para uma sala onde haveria uma reunião e ouvi uma colega, que não me tinha visto, dizer “não sei o que é que esta preta veio para aqui fazer”. Ficaram todos constrangidos quando entrei, mas fingi que não tinha ouvido nada. Entre muitos outros episódios, inclusive nos serviços administrativos.  
 
Recentemente, há três anos, impugnei um concurso. Custa-me falar disso porque me considero ostensivamente discriminada, prejudicada. Não quero acreditar que seja uma questão de racismo. Não me conformei. A questão foi objecto de acção judicial no competente Tribunal Administrativo, encontrando-se a aguardar decisão.

Não é fácil progredir na carreira na universidade portuguesa porque não é questão de mérito mas de vagas — e não tem havido vagas, o que é uma perversidade do sistema, pois o “sinal” que a tutela envia é que não importa o quanto trabalhes não serás promovido.
 
O racismo desaparece com a ascensão social?
Não é verdade que a classe social elimine o racismo. Vou a lugares onde sou a única negra e sou discriminada. Não é uma questão de discriminação social, é da cor da pele. Só diz isso quem não passa pelos constrangimentos pelos quais os negros passam.
 
Quais foram os desafios de trabalhar temas como as literaturas africanas?
Trabalho numa área que, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, é considerada “menor” por muita gente. Infelizmente, gente com algum poder — e que não sabe nada dos Estudos Africanos e do que se passa no mundo académico, as mudanças que se vêm operando.

Mas a área foi ganhando espaço também por causa da importância que os países africanos vêm ganhando. Fomos conseguindo conquistar espaço, obviamente com o apoio de colegas das áreas afins, e hoje a faculdade tem nos seus planos curriculares no âmbito das literaturas e culturas não apenas uma unidade curricular de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, mas várias disciplinas de Literatura Angolana, Moçambicana, Literaturas Insulares, Literatura Colonial, Literaturas Pós-Coloniais (entre outras). Sem falar de unidades curriculares sobre culturas e civilizações africanas. Foi uma conquista e também uma evidência de que as mentalidades estão a mudar. Ainda que acredite que em muitas cabeças as disciplinas de literaturas e culturas africanas ainda sejam “matérias menores”, quero crer que essas pessoas são passado.  

Ler textos complementares

Há uma geração a ser encaminhada para as vias vocacionais

Com que direito se apagam as crianças não-brancas dos manuais?

“A presença de negros na academia é nula” 

 

 

 

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações