Youtuber: a mais recente profissão dos jovens portugueses

Começaram nos pequenos vídeos gravados com uma webcam. Hoje, uma geração de youtubers procura profissionalizar-se na criação de conteúdos digitais, que fazem destes jovens verdadeiros influenciadores de massas. Festival VidYou acontece este sábado e domingo no Estoril.

Fotogaleria
Mário Lopes
Fotogaleria
Mário Lopes

Sofia Barbosa propõe-se a imaginar a profissão “dentro dos padrões normais”. O escritório é o quarto. A irmã é a colega de secretária. Aos 17 anos, é a gestora do seu próprio meio de comunicação e quem a avalia são as 200 mil pessoas que subscreveram o seu canal no Youtube, SofiaBBeauty. Não tem horários, mas há datas limite para entregar o trabalho feito.

Sofia é o que a indústria chama influenciadores digitais. Dar-lhe um nome faz com que as pessoas olhem de forma mais séria para uma profissão emergente e é para a profissionalização que estes youtubers caminham, diz Sara Bianchi, organizadora da quarta edição do VidYou, o festival de youtubers que esta sexta-feira começou no Centro de Congressos do Estoril e que decorre até domingo.

“Estamos a falar de um passo que é dado por eles: ou querem fazer disto vida ou fazer isto na vida. São coisas muito diferentes”, sintetiza Bianchi, mentora de uma edição que quer problematizar o que é isto de tornar profissionais os jovens que produzem conteúdos digitais e comunicam uns para os outros nas redes. “Eles são meios de comunicação, como é uma rádio, um jornal. Têm um segmento de mercado e um público próprios”. Os vídeos de Sofia sobre moda e beleza têm em média 50 mil visualizações.

Perfil dos youtubers portugueses

A organizadora traça um perfil dos youtubers portugueses. A maioria é jovem e fala para um público da mesma idade ou mais novo. Conciliam as aulas do ensino secundário ou da universidade com os seus canais. Estão habituados às câmaras e a aparecer à frente delas. Nascidos em plena era da Internet, “dificilmente faria sentido que este não fosse o seu meio primordial para comunicar”, repara Sara Bianchi, especialista em Marketing e Tecnologias da Comunicação.

O principal desafio é a rentabilidade. O mercado português não tem “dimensão suficiente para que se faça disto vida apenas com as receitas das plataformas, como o Youtube e o Facebook”, diz a organizadora. Chegar ao Brasil é uma hipótese. Associar a marcas é outro caminho. E a procura é recíproca: são cada vez mais as marcas que reparam na notoriedade destes jovens junto do seu público.

“Mas é preciso que eles se identifiquem com as marcas e as marcas têm valores e identidades que os influenciadores têm que seguir”, diz Bianchi. Coloca a tónica na responsabilidade, o tema da primeira de uma série de palestras que acontecem no festival. Um exercício que é muitas vezes exigente em menores que se querem fazer profissionais.

No dia em que Sofia decide gravar um dos dois vídeos que faz por semana, o trabalho é a tempo inteiro. Entre gravar e editar leva oito horas. Mais o tempo para montar o cenário, preparar as luzes, montar câmara, tripé e arranjar-se. Laura Moutinho e Gabriel Nazaré, do canal Nomad Duo Movement, somam 48 horas por semana na produção e edição das fotografias e vídeos de ambos, que conciliam com as aulas na faculdade.

A parceria com marcas pode significar mais de mil euros por publicação ou partilha, dependendo do número de subscritores. São pagos para experimentar produtos, partilhar experiências ou produzir os próprios vídeos promocionais orientados para o seu público-alvo. Sofia tira fotos com uma lata da Sumol ou um perfume da Clinique Portugal, Laura e Gabriel partilham a experiência de usar um skate da marca alemã BTFL.

O interesse que suscitaram às marcas concretizou-se, até agora, em parcerias. Nunca num contrato fixo. Por isso, nenhum dos três tem “segurança para fazer disto vida”, diz Sofia. É para lá que querem caminhar.

“Festival começa a dar a formação que falta”

Um criador de conteúdos digitais é “como os actores ou os jornalistas há umas décadas. Não havia escolas que os formassem”, descreve Sara Bianchi. Enquanto a formação formal tarda em chegar, “o festival começa a dar a formação que falta”.

As histórias repetem-se entre quem entrou no meio nos últimos sete anos. Pouco ou nada sabiam de edição de vídeo. Aprenderam com o que outros faziam. “Comecei pelo Movie Maker e a gravar na minha webcam”, conta Sofia. Hoje, a qualidade da imagem e do som é-lhe tão importante como o conteúdo e faz parte da rotina acompanhar as novidades no material da filmagem.

Por isso, o festival aposta “nos ensinamentos desde o zero”: como começar um canal, que material de baixo custo é apropriado para começar, qual o investimento que se deve fazer à medida que o canal cresce. Há ainda o lado pessoal: “Como lidar com o reconhecimento? Como gerir as expectativas e as responsabilidades?”, explica Sara Bianchi. A ideia do festival é que “os jovens saiam daqui mais preparados para a profissão de influenciadores”.

Sofia sente a influência que tem sobre os milhares de seguidores e é recíproca a relação com os youtubers que ela própria segue. “Tu confias nas pessoas que segues, por isso sabes que se elas se associaram àquela marca é porque acreditam nela”, diz. Também para Laura e Gabriel, o melhor elogio é saber que as pessoas “confiaram nas ideias [que propõem] e arriscaram” segui-las. “Não é a primeira vez que nos dizem que começaram a andar de skate por nossa causa”, repara o jovem de 24 anos.

“O Youtube mudou o tipo de artista que existe”

O canal de Pedro Gonçalves é a sua “sala de concertos”. Diferente das convencionais pela “proximidade constante que dá ao cantor com o público”, diz. A hora para o concerto é aquela em que um dos 41 mil subscritores clica no vídeo. A conversa acontece sempre que pode responder. “O Youtube mudou o tipo de artista que existe”, acredita o jovem de 21 anos. “Não há tanto aquela ideia do cantor distante que de vez em quando vai à televisão. Há uma pessoa que está mais próxima do seu público e que fala com ele”, explica.

Ao mesmo tempo Sara Bianchi vê o Youtube a encaminhar-se para uma batalha que pode perder. “O Youtube mudou as regras permitindo às marcas escolher os canais em que querem apresentar a sua publicidadade, o que traz problemas de rentabilidade a muitos canais. Se outros meios oferecerem melhor condições, estes jovens estão atentos e migram de forma definitiva para outra plataforma”. Os próximos tempos vão “ser uma guerra de titãs”, antecipa.

“Agora o que está a dar são os vlogs”

A dada altura, não é possível perceber a diferença entre a equipa multimédia do festival e os participantes. Todos têm uma câmara ao peito. Não é raro haver um tripé, microfones e outros acessórios à mão. De certa forma as paredes do centro de congressos diluem-se: todos comunicam para fora.

Quando André Viana e Diogo Cunha baixam o telemóvel no fim de um vlog (um videoblog onde contam a experiência das primeiras horas de festival), fazem as contas ao tempo em que se iniciaram no Youtube. Era “um outro mundo” há sete anos, quando Diogo, setubalense, se tornou Cunhamore. Tinha 11 anos e começava o canal para contar experiências de jogo. “Todos fazíamos isto pelo gaming. Era o Minecraft na altura”, recorda e não contém o riso ao lembrar o jogo em “que ficava enfiado durante horas”. Foi no jogo que conheceu o André, que se viria a tornar Cabanaandré.

Perto dos 18 anos, deram uma volta aos respectivos canais. Já não falam de jogos. “Agora o que está a dar são os vlogs.” André, portuense, tem 151 mil seguidores e pode “falar e fazer qualquer coisa”, de música às polémicas das redes sociais, dos episódios da escola às paródias de famosos. “É a vida de um jovem de 17 anos em vídeo”, descreve.

Sugerir correcção