Ilustrar para diluir as fronteiras entre os géneros

Joana Rosa Bragança
Fotogaleria
Joana Rosa Bragança

Glitter is love estampado num braço, caras cheias de cor, batom, o flutuante corpo humano apresentado com diferentes mutações, peitos e pernas peludas. Esta é apenas uma amostra do que há para ver na exposição colectiva de ilustração #genderbender, nas duas Ó! Galeria, a do Porto e a de Lisboa. Participam 28 artistas — a maioria portugueses, mas também estrangeiros —, cujas obras reflectem sobre as fronteiras que nos separam uns dos outros, a diversidade e a necessidade de cor num mundo cinzento. Ao P3, a curadadora da galeria, Ema Ribeiro, conta que adoptou este caminho porque reparou que são temas "pouco explorados" pela ilustração. "Há uma falha no mercado artístico" no que diz respeito a assuntos como a identidade de género, diz. A Ó! Galeria costuma trabalhar com perto de 70 artistas e nesta exposição podemos ver o trabalho de 28. Entre eles está Joana Rosa Bragança, com quatro trabalhos em exposição. Citada pela Sábado, a ilustradora conta que as obras “são sobre a liberdade de se poder ser quem se é”. E, como estamos a falar de uma exposição que quer derrubar estereótipos em relação ao género e o que nos diferencia, isso também está espelhado nos trabalhos. A exposição pode ser vista em Lisboa até 5 de Setembro e no Porto até dia 14 do mesmo mês. 

Joana Rosa Bragança
Ana Melo aka Amalteia
Ana Melo aka Amalteia
Bárbara Fonseca
Júlio Dolbeth
Catarina Gomes
Catarina Gomes
David Penela
David Penela
David Penela
Leonor Zamith
Elisa Talentino
Bárbara Rocha
Emmanuel Kerner
Joana Estrela
Helia Aluai
Leonor Zamith
Luís Cepa
Luís Cepa
Mariana, A Miserável
Rafaela Rodrigues
Rafaela Rodrigues
Rui Vitorino Santos
Sílvia Rodrigues
Ivo Hoogveld
Sílvia Rodrigues
Tamara Alves
Tina Siuda
Tina Siuda
Sugerir correcção