Música é nos castelos: Entremuralhas em Leiria, Forte em Montemor-o-Velho

Entre esta quinta-feira e sábado, o festival leiriense recebe Atari Teenage Riot ou In The Nursery. A Montemor-o-Velho, até domingo, chegarão Lydia Lunch, Jeff Mills ou Nathan Fake.

Fotogaleria
Atari Teenage Riot DR
Fotogaleria
As Medusa's Bed de Lydia Lunch DR

Dois castelos, dois monumentos com séculos de História a oferecerem-se ao público como cenário. Começam ambos esta quinta-feira. Um é Forte, o outro Entremuralhas, e estabeleceram-se como festivais de culto que, na recta final de mais uma época de festivais de Verão, atraem às suas localidades, a cidade de Leiria e a vila de Montemor-o-Velho, respectivamente, público atraído pela música, mas também pela possibilidade de conhecer e viver os espaços que são componente indispensável da identidade dos eventos. Num estarão, por exemplo, os Atari Teenage Riot, no outro, poderemos ver os Medusa’s Bed de Lydia Lunch.

O Entremuralhas, que teve primeira edição em 2010 e é organizado pela associação local Fade-In, começou por ser um enclave gótico construído no magnífico castelo medieval leiriense. Com o passar dos anos, sem esquecer essa matriz original, foi alargando os seus horizontes estéticos. Os contornos negros da música apresentada mantêm-se, mas hoje acolhe rock e folk, industrial, metal, electrónicas e várias matizes intermédias – este ano, surge até um nome como Paulo Bragança, o fadista heterodoxo que descobrimos nos anos 1990 (actuará no sábado, último dia de festival).

Com lotação diária limitada a 737 espectadores, resultado também da necessidade de preservação do monumento que o acolhe, o Entremuralhas sofreu este ano uma "montagem" atribulada. Os anunciados Tuxedomoon foram obrigados a cancelar devido à morte, em Julho, do seu baixista, Peter “Principle” Dachert, e, na semana passada, problemas de saúde de membros dos anglo-germânicos Twa Corbies e dos ingleses Darkher obrigaram a organização a agir rápido. Para o lugar dos históricos Tuxedomoon chegaram outros históricos, os Atari Teenage Riot de Alec Empire, banda guerrilha electro-punk que deixou marcas vívidas na década de 1990 (actuam no sábado). Para os outros dois lugares deixados vagos em cartaz chegarão o já citado Paulo Bragança e Simone Salvatori, que, acompanhado apenas pela guitarra, apresentará uma versão descarnada da música dos seus Spiritual Front (sexta-feira).

Dividido por três palcos (Alma, Corpo e Igreja da Pena), com bilhetes a 85 euros (passe geral), 65 euros (sexta e sábado) e entre os 25 e os 40 euros (diários), o Entremuralhas apresenta, entre outros, concertos dos canadianos Front Line Assembly (sábado), da jovem revelação francesa Perturbator, dos veteranos britânicos In The Nursery (ambos sexta) ou dos nossos Pop Dell’Arte (quinta-feira).

Na madrugada em que o Entremuralhas se estiver a despedir, o Festival Forte estará ainda a avançar para o seu épico final – serão 23 horas consecutivas de música, estre as 22h de sábado e as 21h de domingo. Dedicado à música electrónica, da mais física e funcional à mais exploratória, passando pela ligação às artes performativas, o Forte atrai a Montemor-o-Velho cinco mil espectadores diários, sendo que a grande maioria (70%) vem de outras paragens (além do público português, chegará gente de mais 31 países). Na bilheteira do festival as entradas serão vendidas a 120 (passe geral) e 60 euros (entrada diária). Pela primeira vez, a programação do Forte terá extensão ao espaço intimista do pequeno Teatro Esther de Carvalho e ao parque de campismo.

A abertura, esta quinta-feira, far-se-á com uma estreia, a das Medusa’s Bed, que juntam a ícone da no-wave nova-iorquina, Lydia Lunch, à multi-instrumentalista Zahra Mani e à violinista, vocalista e artista visual austríaca Mia Zabelka. No mesmo dia, Nathan Fake apresentará o novo Providence e Clark o concerto-performance Death Peak. Jeff Mills e DVS1 são dois dos destaques de sexta-feira, ao passo que a maratona que se inicia sábado apresenta T. Raumschiere, Ellen Allien ou Schlomo. Michael Mayer, da alemã Kompakt Records, editora de longa história e influência (Mayer fundou-a em 1998), terá a honra de encerrar o festival.

A época de festivais de Verão não termina com a música ouvida em espaços centenários muralhados. Afinal, entre petiscos e artesanato, ouvir-se-ão este fim-de-semana, no Festival do Crato, Seu Jorge ou os Eagles of Death Metal, e, na próxima semana, Lamego acolhe o TRC Zigur Fest, dedicado à nova música independente portuguesa, a Figueira da Foz terá o Gliding Barnacles e Baltar o Indie Music Fest, nas mesmas paragens sonoras. No início de Setembro ainda haverá, em Lisboa, a electrónica do Lisb-On e o fado do Caixa Alfama, e a Ribeira de Santarém acolherá o renovado Reverence, dedicado ao rock’n’roll, ao metal e ao punk – e, claro, na Quinta da Atalaia monta-se já o histórico Avante. Este fim-de-semana, porém, música é nos castelos. O de Leiria e o de Montemor-O-Velho.