Deputada ultranacionalista australiana leva burqa para o Senado

A deputada defende a proibição do véu integral islâmico e o seu gesto pretendeu conquistar a atenção dos membros do Governo australiano.

Fotogaleria
Pauline Hanson com burqa no senado LUSA/MICK TSIKAS
Fotogaleria
Pauline Hanson com burqa no senado LUSA/MICK TSIKAS
Fotogaleria
Num acto "encenado", Pauline Hanson tira a burqa Reuters/STRINGER
Fotogaleria
Num acto "encenado", Pauline Hanson tira a burqa Reuters/STRINGER
Fotogaleria
Num acto "encenado", Pauline Hanson tira a burqa Reuters/STRINGER

Pauline Hanson, a líder do partido australiano ultranacionalista One Nation, entrou na câmara do Senado vestida com uma burqa preta. O episódio aconteceu esta quinta-feira e o objectivo era fazer aprovar uma proibição do véu integral sob o argumento de combate à ameaça terrorista. O Governo australiano condenou a atitude de Hanson, que considerou desrespeitosa para com os crentes daquela religião, e ressalvou que não tem intenções de banir este véu.

O procurador-geral australiano, George Brandis, avisou Pauline Hanson que o Governo australiano não planeia avançar com qualquer proibição e considerou o gesto da líder ultranacionalista ofensivo para a comunidade muçulmana.

Brandis sublinhou que “não ia fingir ignorar a encenação” que Hanson levou à câmara ao chegar vestida numa burqa. “Todos sabemos que não é crente na fé islâmica. Aviso-a e aconselho-a, senadora Hanson, com todo o respeito, a ser muito, muito cuidadosa com as ofensas que pode causar à sensibilidade religiosa de outros australianos”, continuou.

“Temos cerca de meio milhão de australianos neste país crentes na fé islâmica e a maioria deles cumpre a lei, são australianos bons e, senadora Hanson, é absolutamente consistente ser-se um bom cumpridor da lei australiana e, ao mesmo tempo, ser-se um muçulmano com uma forte fé e rigor religioso”, vincou.

Brandis lembrou ainda que, enquanto procurador-geral, tinha na sua posse permanentemente uma pasta com material referente à segurança nacional do país e que os conselhos dos serviços de segurança australianos são claros: controlar os riscos de extremismo requer uma colaboração próxima com a comunidade islâmica. “Ridicularizar a comunidade, chutá-la para um canto e fazer pouco dos seus vestuários é uma atitude terrível”, escreve o The Guardian.

Hanson é vista a sorrir depois das declarações do procurador-geral, mas foi o discurso do procurador-geral que recebeu uma ovação até dos partidos da oposição.

Do Partido Trabalhista australiano chegaram também algumas considerações e críticas ao gesto da deputada. “Uma coisa é usar o véu religioso como um sincero acto de fé, outra coisa é usá-lo aqui como uma encenação”, considerou a senadora trabalhista Penny Wong, citada pela BBC.

“É uma atitude extremista? Sim”, respondeu Pauline Hanson numa entrevista a uma rádio nacional, depois do episódio. “Está a servir para passar a minha mensagem? Espero que sim. Não há melhor sítio para começar do que o Parlamento”, cita o The Telegraph.

Pauline Hanson já é conhecida pelo seu historial de declarações polémicas. Lembra a BBC que há cerca de dois meses a deputada sugeriu que os alunos com autismo deviam ser excluídos das salas de aula.