Parlamento alemão aprova legalização do casamento homossexual

Diploma é aprovado no último dia da legislatura, na mesma semana em que Angela Merkel se mostrou publicamente favorável aos casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Nesta sexta-feira, porém, a chanceler votou contra.

Foto
Reuters/STEFANIE LOOS

O Parlamento alemão aprovou esta sexta-feira um diploma que legaliza o casamento entre pessoas do mesmo sexo. O voto foi proposto pelos sociais-democratas dias depois de a chanceler Angela Merkel ter adoptado publicamente uma posição favorável.

O diploma contou com o voto a favor de 393 deputados, o voto contra de 226 e quatro abstenções, disse o presidente do Parlamento, Norbert Lammert, citado pela Reuters. Para além das bancadas dos partidos que apoiam o casamento entre homossexuais, votaram a favor vários deputados conservadores, uma vez que não foi adoptada a disciplina de voto para esta matéria.

Apesar de ter dado a entender que apoiava o casamento entre pessoas do mesmo sexo, Merkel votou contra o diploma esta sexta-feira, defendendo que "o casamento deve ser entre um homem e uma mulher". "Espero que o voto de hoje não promova apenas o respeito entre diferentes opiniões, mas que traga também mais coesão e paz social", acrescentou a chanceler.

Numa entrevista a uma revista feminina no início da semana, Angela Merkel tinha dito ser a favor do casamento para todos, uma posição diferente daquela que tinha adoptado anteriormente. Foi depois de ter conhecido um casal de lésbicas que cuidava de oito crianças que Merkel disse ter mudado de opinião. Os conservadores da CDU, tal como o partido-gémeo da Baviera, o CSU, sempre foram contra a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

As declarações de Merkel foram vistas como uma tentativa de esvaziar o programa eleitoral dos seus rivais, os sociais-democratas do SPD, tendo em vista as eleições federais de Setembro.

Desde 2011 que a Alemanha permite uniões de facto, mas não o casamento, o que impossibilitava os casais homossexuais de gozarem de uma série de direitos, incluindo a adopção.

O assunto merece um consenso alargado na Alemanha. Quase todos os principais partidos, à excepção dos conservadores, são favoráveis à legalização, bem como uma larga maioria do eleitorado, segundo várias sondagens.

Na sequência das declarações de Merkel, o líder do SPD, Martin Schulz, decidiu levar ao Bundestag (câmara baixa do Parlamento) a votação de um diploma que abre caminho à legalização do casamento homossexual. Tudo se passou a grande velocidade, dado que esta sexta-feira foi a data da última sessão do hemiciclo antes de entrar em férias.

O deputado dos Verdes, Renate Künast, defensor de longa data dos direitos LGBT, deixou um conselho aos gabinetes de registo civil do país: "Aumentem o número de funcionários."