Fenprof e FNE reúnem-se esta noite com o ministro da Educação

Encontro foi pedido com urgência no sábado pela Federação Nacional de Professores. A resposta do ministério chegou nesta segunda-feira. Greve de professores está marcada para esta quarta-feira.

Encontro com a Fenprof está marcado para as 19 horas. Segue-se a FNE às 20 horas
Foto
Encontro com a Fenprof está marcado para as 19 horas. Segue-se a FNE às 20 horas RG RUI GAUDENCIO

A dois dias da greve, a Federação Nacional de Professores (Fenprof) e a Federação Nacional de Educação (FNE) foram chamadas nesta segunda-feira para uma reunião com o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues. A Fenprof é recebida às 19h e a FNE às 20h. A reunião tinha sido pedida com urgência no sábado pela Fenprof e a resposta chegou ao final da manhã desta segunda-feira.

Tanto a Fenprof, como a FNE têm reiterado que estão disponíveis para desconvocar a greve de dia 21 de Junho no caso do ministério se mostrar disponível para chegar a compromisso em torno das principais reivindicações apresentadas pelos sindicatos e que têm a ver com a abertura novos períodos de vinculação extraordinária dirigidos a professores contratados, o descongelamento das carreiras a partir de Janeiro de 2018 e a criação de um regime especial de aposentação, entre outras.

Num comunicado divulgado nesta segunda-feira, onde não faz referência à greve de quarta-feira, a FNE mostra-se disponível “para, de imediato, manter as reuniões que forem necessárias” para se chegar a um compromisso com vista “à melhoria da qualidade da educação e a valorização” dos professores.

Num documento enviado na sexta-feira aos sindicatos, o ministro da Educação Tiago Brandão Rodrigues elencou os resultados a que se chegara nas reuniões de 6 de Junho com a Fenprof e a FNE. Os resultados deste encontro foram considerados na altura insuficientes pelos sindicatos que decidiram avançar com a greve de dia 21.

Por ser uma repetição do que foi dito nos encontros de 6 de Junho, também o documento enviado pelo ministro foi considerado “insuficiente” pelos sindicatos, que no entanto retiveram como positivo o facto de Tiago Brandão Rodrigues ter assinalado que se mantinha “disponível para o diálogo”, referência que levou a Fenprof a solicitar a reunião desta segunda-feira.

Na semana passada, um colégio arbitral decretou serviços mínimos para serem cumpridos durante a greve dos professores de modo a garantir que se realizem todos os exames do 11.º ano marcados para dia 21 e a prova de aferição do 2.º ano de escolaridade, também agendada para quarta-feira. Com esta decisão, e como a maioria dos alunos já se encontram de férias, os efeitos da greve dos professores foram em grande parte esvaziados.