Fotogaleria
Os moradores colocaram tarjas nas varandas para protestar contra a situação Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
O número 25 de Rua dos Lagares Daniel Rocha
Fotogaleria
Vista da Mouraria, onde as obras se multiplicam Daniel Rocha
Fotogaleria
Na Rua dos Lagares há várias obras a decorrer e vários prédios devolutos Daniel Rocha

Retalhos da vida de lisboetas de malas aviadas para fora do centro

A sala de estar de Olinda é o cabeleireiro onde trabalhou quarenta anos. Silvina veio sem conhecer ninguém, mas já se habituou à Mouraria. Carla tem receio de ir à janela para não ver estrangeiras com as mamas de fora. Histórias da vida da Rua dos Lagares, que quer ser um símbolo contra os despejos.

Os números são mais ou menos flutuantes e as estimativas mais ou menos concretas. A pressão turística, aliada a certas disposições da lei das rendas, está a fazer com que antigos habitantes dos bairros históricos de Lisboa se vão embora. Não há números exactos. Mas há relatos, semelhantes entre si e quase diários, de quem se sente pressionado a mudar de casa.

Estes são os moradores do número 25 da Rua dos Lagares, na Mouraria, que foram informados pelo novo senhorio de que não podem continuar a viver ali quando acabarem os actuais contratos de arrendamento. Este prédio é apenas um exemplo do que está a acontecer em muitos outros. Os seus habitantes querem fazer dele um símbolo da resistência às mudanças profundas do bairro.

Por isso foram já a duas reuniões públicas da Câmara Municipal de Lisboa pedir ajuda. Na última, ouviram o vereador do Urbanismo dizer que a autarquia nada podia fazer. Depois foram a uma reunião da assembleia municipal, onde a presidente Helena Roseta se comprometeu a analisar o caso. Têm o apoio do PCP e do Bloco de Esquerda. E, no fim da semana passada, a vereadora da Habitação, Paula Marques, dispôs-se a reunir com eles esta segunda.

Na mais emblemática noite lisboeta, a noite de Santo António, montaram arraial à porta. Houve sardinhas, houve bifanas, houve cerveja e música. Mas também contestação contra aquilo que dizem ser a descaracterização crescente do bairro. Ei-los em discurso directo, algumas horas antes da sardinhada.

PÚBLICO -
Foto
Enric Vives-Rubio

Olinda Bernardino, 66 anos

“Eu vim para esta casa com 9 anos, em 1961. Já aqui existia um cabeleireiro desde 1950 e a minha mãe veio para cá trabalhar. Ela atendia as clientes no salão e, ao mesmo tempo, podia cuidar de mim e dos meus irmãos.

A minha mãe disse-me que se eu quisesse ser cabeleireira tinha de aprender na rua. Andei por aí e só depois é que vim para cá trabalhar. O primeiro salão em que estive era na Rua de São Tomé, já acabou. O segundo era na Rua dos Cavaleiros, já acabou. Depois estive num na Rua da Saudade, que também já acabou.

Aos 20 anos vim para aqui trabalhar e aqui fiquei. Era eu, a minha mãe e as minhas irmãs. A minha mãe morreu quando eu tinha 30 anos e, depois, as minhas irmãs casaram e foram-se embora. Eu fiquei.

Casei há 25 anos e o meu marido mudou-se para cá. Tive uma filha e criei os meus quatro enteados. Agora estou a criar quatro netos. Tivemos anos de muito, muito trabalho no salão. Mas entretanto a clientela foi baixando, umas morreram, outras mudaram de casa e isto foi morrendo. Acabámos por dar baixa do cabeleireiro há cinco anos, não tinha como mantê-lo. Ainda faço uns penteados a pessoas conhecidas, mas o contrato de arrendamento passou a ser só de habitação. Pago 120 euros por mês. O contrato acaba em Agosto.”

PÚBLICO -
Foto
Enric Vives-Rubio

Marcelino Figueiredo, 78 anos

“Moro nesta casa há 55 anos. Mudei-me para cá quando me casei, a casa era da minha sogra. Mas na Mouraria já estou desde os 12 anos. Fiz a minha vida toda no comércio e comecei a dedicar-me à actividade autárquica em 1972. Fui presidente da Junta de Freguesia do Socorro até 2008.

Quando a minha sogra morreu, fizemos um novo contrato e passámos a pagar 150 euros de renda. Posso pagar mais, mas o prédio precisa de obras. Podiam fazer as obras e deixar-nos ficar. Esperamos que haja bom senso.”

PÚBLICO -
Foto
Enric Vives-Rubio

Silvina Barbosa, 59 anos

“Só cá vim parar depois de velha. Nasci na Mouraria, mas fui criada na Praça da Alegria e por lá vivi até 2008. Eu nem conhecia o Martim Moniz. Só quando o meu filho se casou é que eu vim para aqui. A casa lá era demasiado grande.

Cheguei em Abril de 2008. Não conhecia ninguém, mas num instantinho me comecei a dar com as pessoas do bairro. Ia falando com uns, metia conversa com outros. Tudo se dá bem, nunca há problemas nenhuns.

A minha casa é um T2 e pagamos 217 euros de renda. Entre mim e o meu marido temos 340 euros disponíveis por mês. Eu tomo conta de uma idosa de 87 anos para equilibrar as contas, caso contrário já estava na rua. Temos contrato até Março do próximo ano, depois não sabemos o que fazer. O meu filho mora nos Anjos. Se eu saio de Lisboa, vou para onde? Como é que vejo o meu filho e os meus netos?

Venham-me cá tirar com uma grua.”

PÚBLICO -
Foto
Enric Vives-Rubio

Carla Pinheiro, 47 anos

“Nasci em Angola e vim para a Mouraria com três anos, ali para o Largo das Olarias. A minha infância foi toda passada aqui: cresci, brinquei, joguei à bola nestas ruas. Tive uma infância linda. A minha mãe ia trabalhar, eu ficava aí, ninguém nos fazia mal. Foi a fase mais bonita da minha vida.

Quando me casei vim viver para a Rua dos Lagares, mas para outro prédio. Sempre houve um ambiente muito familiar, apoiávamo-nos todos uns aos outros. Gritávamos de uma janela para a outra: “Tens aí óleo?”

Eu e a Rosário já nos conhecemos há muitos anos. Tratamo-nos por “manas”, perdemos amigos comuns por causa da droga, somos muito unidas. Quando o meu marido morreu, há seis anos, ela disse-me que havia uma casa livre neste prédio. Eu vim morar para a casa onde ela estava e ela passou para a do lado. A renda era mais barata e a casa era maior do que no outro prédio.

O meu pai morreu há cerca de mês e meio. A minha mãe, que estava no Largo das Olarias, teve de vir morar comigo porque tem 97% de incapacidade visual. Tenho de trabalhar, cuidar dela e ainda do meu filho, que tem 16 anos. Aliás, tenho de dormir com a minha mãe porque a casa só tem dois quartos. Pago 250 euros de renda, não posso ir além dos 275.

Nos últimos anos já não gritamos de umas janelas para as outras. Temos é de nos afastar das janelas se não quisermos ver certas coisas. É tipos de cuecas e mulheres com as mamas à mostra. Malta que atira o lixo pela janela porque tem preguiça de ir lá abaixo pôr ao caixote.

O meu contrato termina em Novembro. Vou para onde, com a minha mãe neste estado? Há um ano que não consigo dormir direito. Não há aqui ninguém que não tenha uma depressão com isto.”

PÚBLICO -
Foto
Enric Vives-Rubio

Rosário Conceição, 54 anos

“Aqui nasci, aqui andei, aqui cresci, aqui quero morrer. Quando morrer, toda a Mouraria vai ao funeral.

Nasci na Travessa dos Lagares, número 40, 3º. Morei lá até casar, em 1984. Mudei-me com o meu marido aqui para a rua. Há sete anos adoptei uma menina, qua agora tem dez anos, e tive de encontrar uma casa com mais um quarto. Ainda vivi algum tempo numa casa de porteira, depois vim para aqui.

Entretanto entrámos em insolvência e… pronto, estamos aqui.

Pago 350 euros de renda, a casa tem dois quartos. Toda a gente me conhece na Mouraria. Toda a gente. Só pensar que tenho de me ir embora me dá arrepios. O meu contrato acaba em Novembro.”

PÚBLICO -
Foto
Enric Vives-Rubio

Maria Helena Pinheiro, 61 anos

“Vai fazer dois anos que estou desempregada. A firma acabou, vim para a rua e estou desde essa altura no fundo de desemprego. Quando acabar o subsídio já vou ter idade para pedir a reforma.

Aqui no prédio estou desde 1986. Antes estava na margem Sul. Morei mais de vinte anos no quarto andar, mas em 2012 mudei-me para o segundo. A casa é maior e tem outras condições. Tem dois quartos e pago 300 euros. O contrato acaba em Outubro.”